Pular para o conteúdo principal

Marujos da Cultura

Zinoel Fontes e seus marujos
Estive no terceiro encontro de Cheganças do Estado da Bahia, fui com meu amigo Dalmir Castro, o encontro aconteceu na cidade de Saubara. Observei atentamente como cada grupou se apresentava, seus cânticos, a beleza de cada movimento, a relação com o passado e em especial a alegria de um presente possível, a cultura como norteadora de um povo. Andei pelas rus estreitas, cortadas pela constante brisa marinha, brisa que representa a  presença do mar que ali é a razão de existir para muitas daquelas pessoas.
A relação do povo do recôncavo com o mar é a mesma do povo do sertão com a terra, do mar e terra tiram o sal para o dia dia de uma vida nem sempre fácil,mas que aponta para o tempo de vitória sobre as diversidades.No festival de Cheganças participaram grupos do sertão da Bahia, mar e terra se encontraram para festejar a arte e história de uma gente que se traduz pela alegria de se reconheceram, timoneiros dos seus destinos.
Dentre tantos grupos que se apresentaram no Encontro de Cheganças um em especial me emocionou, foi a chegança formada por crianças e capitaneada por Zinoel Fontes, jovem professor que para além da sala de aula entendeu que todo espaço é espaço para educação, que sem se perder em  retoricas educacionais, muitas vezes recheadas de belas palavras, mas sem praticidade, partiu para transforar de maneira concreta sua vida e de seus alunos.As crianças marinheiras estavam dizendo a todos nós que navegando o mar da cultura e educação eles nunca vão perder a bússola para um futuro maravilhoso. Eu e Dalmir ficamos emocionados com a promessa concreta daquela marujada de crianças, não perderão o rumo das suas naus e embarcações, serão capitãs de um tempo bom para o país.
Dalmir Castro e Ediney Santana
O professor Zinoel Fontes também se reinventou para trazer sentido a sua pedagogia do bem, fez uso dos seus conhecimentos e mergulhou no conhecimento dos antigos mestres, antes de ensinar ele estudou a fundo a cultura da sua gente, da sua cidade, faz assim um importante papel de não deixar que o legado cultural de ontem se perca e plantou também ele outros frutos que vão gerar outras sementes para nosso país.
Educação não é algo complicado como se pensa, porque educação é tudo que somos, é nosso jeito de andar, sonhar, vestir, escrever poemas, é o encontro com a escola .Mais que prisões precisamos de centros comunitários de cultura, incentivar a leitura e edição de livros, artes, dança, dizer que o ensino integral será bom se for um manifesto de arte e cultura. Pelas ruas de Saubara o professor Zinoel Fontes me fez ter esperança novamente que é possível sim essa educação libertadora de qualquer ideologia, a educação que instrumentalize as pessoas para serem elas mesmas timoneiras das suas vidas.
A todas as pessoas que fizeram aquele encontro acontecer, a todos os grupos, ao mais que especial motivador, articulador cultural Rosildo Rosário, jovem mestre da cultura popular que tem como paixão de vida divulgar e preservar  esse legado cultural maravilhoso que é a cultura popular, meus parabéns pela importância dos seus atos culturais para o país, ao Betinho de Saubara que sem duvida é um dos maiores divulgadores da cultura de Saubara ,meus sinceros agradecimentos pelo convite, foi uma tarde maravilhosa, ao amigo e querido Jájá que tive o prazer de rever, alegria sincera sempre.
Ao professor Zinoel Fontes, mais uma vez reitero a alegria de saber do seu trabalho, sabemos da importância de tudo, da alegria motivadora. Educar sempre, transformar vidas ajudando elas a encontrem os melhores caminhos, estudar e nos fortalecer, vencer com alegria de saber que tudo que somos é a soma, como cantou Gonzaguinha, de tantas outras pessoas, muito obrigado pelas lições de pedagogia do bem.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…