Pular para o conteúdo principal

Marujos da Cultura

Zinoel Fontes e seus marujos
Estive no terceiro encontro de Cheganças do Estado da Bahia, fui com meu amigo Dalmir Castro, o encontro aconteceu na cidade de Saubara. Observei atentamente como cada grupou se apresentava, seus cânticos, a beleza de cada movimento, a relação com o passado e em especial a alegria de um presente possível, a cultura como norteadora de um povo. Andei pelas rus estreitas, cortadas pela constante brisa marinha, brisa que representa a  presença do mar que ali é a razão de existir para muitas daquelas pessoas.
A relação do povo do recôncavo com o mar é a mesma do povo do sertão com a terra, do mar e terra tiram o sal para o dia dia de uma vida nem sempre fácil,mas que aponta para o tempo de vitória sobre as diversidades.No festival de Cheganças participaram grupos do sertão da Bahia, mar e terra se encontraram para festejar a arte e história de uma gente que se traduz pela alegria de se reconheceram, timoneiros dos seus destinos.
Dentre tantos grupos que se apresentaram no Encontro de Cheganças um em especial me emocionou, foi a chegança formada por crianças e capitaneada por Zinoel Fontes, jovem professor que para além da sala de aula entendeu que todo espaço é espaço para educação, que sem se perder em  retoricas educacionais, muitas vezes recheadas de belas palavras, mas sem praticidade, partiu para transforar de maneira concreta sua vida e de seus alunos.As crianças marinheiras estavam dizendo a todos nós que navegando o mar da cultura e educação eles nunca vão perder a bússola para um futuro maravilhoso. Eu e Dalmir ficamos emocionados com a promessa concreta daquela marujada de crianças, não perderão o rumo das suas naus e embarcações, serão capitãs de um tempo bom para o país.
Dalmir Castro e Ediney Santana
O professor Zinoel Fontes também se reinventou para trazer sentido a sua pedagogia do bem, fez uso dos seus conhecimentos e mergulhou no conhecimento dos antigos mestres, antes de ensinar ele estudou a fundo a cultura da sua gente, da sua cidade, faz assim um importante papel de não deixar que o legado cultural de ontem se perca e plantou também ele outros frutos que vão gerar outras sementes para nosso país.
Educação não é algo complicado como se pensa, porque educação é tudo que somos, é nosso jeito de andar, sonhar, vestir, escrever poemas, é o encontro com a escola .Mais que prisões precisamos de centros comunitários de cultura, incentivar a leitura e edição de livros, artes, dança, dizer que o ensino integral será bom se for um manifesto de arte e cultura. Pelas ruas de Saubara o professor Zinoel Fontes me fez ter esperança novamente que é possível sim essa educação libertadora de qualquer ideologia, a educação que instrumentalize as pessoas para serem elas mesmas timoneiras das suas vidas.
A todas as pessoas que fizeram aquele encontro acontecer, a todos os grupos, ao mais que especial motivador, articulador cultural Rosildo Rosário, jovem mestre da cultura popular que tem como paixão de vida divulgar e preservar  esse legado cultural maravilhoso que é a cultura popular, meus parabéns pela importância dos seus atos culturais para o país, ao Betinho de Saubara que sem duvida é um dos maiores divulgadores da cultura de Saubara ,meus sinceros agradecimentos pelo convite, foi uma tarde maravilhosa, ao amigo e querido Jájá que tive o prazer de rever, alegria sincera sempre.
Ao professor Zinoel Fontes, mais uma vez reitero a alegria de saber do seu trabalho, sabemos da importância de tudo, da alegria motivadora. Educar sempre, transformar vidas ajudando elas a encontrem os melhores caminhos, estudar e nos fortalecer, vencer com alegria de saber que tudo que somos é a soma, como cantou Gonzaguinha, de tantas outras pessoas, muito obrigado pelas lições de pedagogia do bem.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…