Pular para o conteúdo principal

Pequeno Príncipe

“O Pequeno Príncipe”, livro escrito por Antoine de Saint-Exupéry, é uma espécie de livro lenda, algo que passou ao imaginário popular e até mesmo quem não leu pensa que leu. Poucas páginas, algumas aquarelas, texto simples e suave, mas que contem uma mensagem poderosa e arrebatadora.
Muitos autores que escrevem para crianças ou para adolescentes geralmente cometem dois pecados literários. Primeiro: criar textos não infantis, mas infantilizadores, débeis que não levam em conta a capacidade cognitiva das crianças ou adolescentes e o segundo pecado é criar personagens infantis, mas com maturidade psicológica de adultos, quando não raro, transferem para os personagens seus próprios preconceitos e moralismo, muitos personagens infantis se perdem porque são avatares dos seus criadores.
Não é fácil criar personagens, dotar um personagem de personalidade própria. Algumas vezes ao lermos um livro e ouvirmos seus autores temos a impressão que não é bem um romance que lemos, mas crônicas com a visão do autor sobre determinado assunto, mas também acontece do leitor não conseguir separar o autor de sua obra. Há alguns anos publiquei um romance chamado “Urbem Angeli”, as poucas pessoas que leram geralmente falavam assim: “você aqui pegou pesado, não deveria ter dito isso”. Eu tinha que explicar que não disse nada, quem disse foi um personagem.
Os poetas sofrem coisas piores, por conta do fracasso quase que generalizado do ensino de literatura nas escolas, poetas passaram ao imaginário popular como seres ora “frágeis” ora  “sonhadores” e o pior, a poesia virou sinônimo do “belo”, “delicado”, quando na verdade poetas e poemas pode, ser tudo, podem representar tanto o belo quanto o grotesco. Infelizmente ainda há ecos do romantismo no imaginário coletivo sobre artes e afins.
Poetas ainda padecem mais que romancistas. Milhares de poetas contemporâneos, mesmo tendo sido publicados 500 mil livros de poemas em 2014 no país, nas escolas brasileiras é quase impossível encontrar um só professor que trabalhe poetas contemporâneos.  O MEC e MIC com suas bizarrices burocráticas, encarcerados por grandes editoras ajudam a enterrar sem cerimônia a cultura nacional ao ignorar sumariamente quase que toda produção poética contemporânea  do país.
 Em “O Pequeno Príncipe”, os personagens foram criados na medida certa, não são idiotizados ou se parecem com filósofos de boteco falando asneiras dignas de alguns doutorados que encontramos por aí, o interlocutor do garoto é um aviador, talvez seja o alterego de Antoine de Saint-Exupéry, ele nos conduz pela narrativa, mas sem sobrepor o garoto.
Muitos assuntos delicados são tratados no livro, do alcoolismo ao materialismo, suicídio, desencanto, medo, solidão, egoísmo enfim quase todas as emoções nossas cotidianas estão naquelas páginas, tudo de maneira tão delicada e simples que muitas pessoas confundem simplicidade com futilidade e tecem criticas amargas ao livro infantil mais vendido no mundo.  
Um livro gracioso que todo livro infantil gostaria de ter sido, até os que ainda não foram escritos.





Postagens mais visitadas deste blog

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…