Pular para o conteúdo principal

Amor e outras condições

O sentido da vida é o sentido que o dinheiro lhe confere. Não estou nem um pouco preocupado com visões religiosas, metafísicas ou qualquer coisa do tipo, aqui a razão das coisas é o materialismo, a vida sendo definida pelo que você tem ou não no banco, para mim visões adocicadas da vida não fazem sentido algum quando é na variação cambial que se decide o destino de milhões de pessoas neste nosso mundo regido por um único deus: dinheiro.  
Viver  não basta, é preciso fazer da existência uma vitrine com as mágicas frases: dinheiro, sucesso, poder, felicidade, sexo. O segredo é simples: deseje e queira dinheiro, não sinta vergonha disso e quando alguém aparecer dizendo que “dinheiro não me trouxe felicidade”, não ouça, isso é bobagem, é o dinheiro que vai resolver todos seus problemas, o dinheiro que vai te curar das doenças ou atrasar sua morte, o dinheiro que vai aquecer sua casa, colocar comida na mesa. Eu também acho bonitinhas as histórias de pessoas ricas, muito ricas que deixam tudo para mergulhar no “eu” interior, meu “eu” interior neste inferno de país é ameaçado todos os dias pela falta de dinheiro.
A concentração de renda é o nome do câncer que devora nossas vidas, alguns com muitos e outros sem nada. É preciso desde cedo educar as pessoas para a importância de se ter dinheiro, isso não tem nada ver com desumanidade, o dinheiro faz parta da humanidade, dinheiro não faz de pessoa alguma mesquinha, ruim, podre. Pode-se ser um canalha catando comida no lixo, assim como se pode ser um bom coração tendo muito dinheiro no banco.
Ame o dinheiro, deseje profundamente muito e muito milhares de reais. As angustias da vida ficam mais suportáveis quando você tem grana. Imagine você doente, com depressão, alguém da sua família padecendo de algum mal e você sem um puto no bolso? Até para enterrar pessoas com dignidade é preciso grana, muita grana.
É o dinheiro que abre tanto as portas do inferno quando do paraíso, o dinheiro é quem vai definir nossas amizades, amores e até quem levamos ou nos leva para cama, o dinheiro é o sorriso da sociedade, com dinheiro na mão não há portas fechadas. Pobreza e riqueza não dividem a mesma cama e se por alguma impulsividade isso acontecer será tão breve quanto um seco orgasmo no qual se goza alívio de não ter sobre si um troço economicamente inferior.
Não se iluda, sem dinheiro perde-se até o direito de amar, famílias desabam, portas se fecham, amizades são esfaceladas. Seria bom, maravilhoso viver em um mundo no qual não se tivesse um centavo nos bolsos e todos assim mesmos fossem irmãos, amigos, amantes, vivessem em paz e harmonia, mas as coisas não são assim. Sem pagar o dizimo até deus torce o nariz.
Gosto de artes, mas sem grana para carro, para gasolina não vou aos museus, gosto de música, mas sem grana para ir a grandes shows fico na vontade,  gosto de motéis, mas sem grana não há motel, gosto de me cuidar, mas sem grana não há médico,  gosto de livros, mas sem grana não há leituras, queria estudar, mas sem grana, nada de estudos. A lista é grande dos prazeres e necessidades, mas sem grana, esqueça.
O dinheiro é a mágica que nos faz suportar a vida, com grana você não reza a deus para se lamentar, você reza para agradecer, com grana não há solidão, com grana você vive até a ideia maravilhosa de zombar do próprio dinheiro, largar tudo e se enfiar em um mosteiro, com grana você pode não ser feliz, mas tenha certeza, não vai se afundar na agonia de passar em frente uma padaria ver um delicioso frango assado, salivar, abaixar a cabeça e seguir com o estômago faminto. Dinheiro: a verdade, o caminho e a vida, seja para o inferno, seja para o paraíso.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…