Pular para o conteúdo principal

O primeiro amor é amarmos a nós mesmos

Não responsabilizo pessoa alguma pelo espelho quebrado no qual me olho, a tendência de responsabilizar alguém pela queda que foi projetada por nós mesmos é uma rota de fuga trágica. Trágica porque não se coloca nos ombros de outra pessoa o peso dos nossos dissabores como se isso nos isentasse dos enganos cultivados por nós mesmos, nos isentasse também da ilusão de que o outro será sempre um porto seguro. O único caminho diante a constatação que não só o rei está nu, mas nós também é a autocrítica, mudar de rota, mesmo que isso signifique o encontro agudo com a dor que tentamos transferir para outra pessoa.
Se aceito que eu sou o responsável pelo que fiz de mim, logo me sinto mais seguro para caminhar sem muletas existências, sou eu o que atira pedras no meu espelho, sou eu o que corta a própria carne com navalha e aquele caminho escuro que andei por tanto tempo, aquela fome e humilhação, tudo foi eu mesmo quem quis, no meu tribunal não há outro réu que não eu e a única sentença possível é somar tudo isso e reciclar os caminhos, os novos caminhos.
Não existem heróis e bandidos que sejam responsáveis pelas nossas escolhas, quem projeta para outro o próprio destino ou quem necessita de lideres padece de covardia emocional, quer antes de tudo um álibi para qualquer imprevisto que aconteça. Eu sou minhas emoções, eu sou meu alegre ou triste viver, não espero pelo abraço ou negação de outra pessoa, eu me abraço e me nego, quando entendo que sou o único responsável pela minha felicidade não coleciono dores e nem culpo pessoa alguma por qualquer dor que sinta.
É preciso me aceita, saber que tudo que sou é temporário, não há outro caminho, ou me aceito ou caminho para o fim da vida. É uma vigilância constante não culpar pessoa alguma por nada que comigo de errado aconteça, sabendo que sou o único responsável pelas minhas dores ou alegrias me faço senhor aberto para conviver em paz com qualquer pessoa.
Claro que ao dizer que sou responsável pela minha alegria e dor não quer dizer que dispense o prazer da compartilhar com alguém minha vida, longe disso, quer dizer tão somente que se eu tiver algum prazer de conviver com alguém, o primeiro prazer deve ser com minha própria companhia, nada é mais envolvente que esse prazer sincero de ter comigo a alegria de me amar.
Só posso viver bem com outra pessoa se vivo bem comigo. Se aceitar humilhações, desrespeito é porque tenho por mim mesmo desrespeito e falta de consideração, tudo que aceitamos passivamente de outra pessoa, seja bem ou mal é porque de alguma maneira aceitamos a mesma coisa de nós mesmo, se algum nos fere e aceitamos ficar perto dessa pessoa é porque nossa carne e espírito já se acostumaram a ser ferido por eles mesmos, se alguém me ama, esse amor só será bem vindo se antes de tudo eu me amar, me sinta bem com minha própria companhia, só se sente solitário quem vive em litígio consigo mesmo.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…