Pular para o conteúdo principal

Uma vela para deus e outra para o diabo

Em algum lugar neste país há um altar no qual sem vergonha alguma se pode acender uma vela para deus e outra para o diabo. É um lugar sem muito mistério, calmo como uma capela renascentista, dúbio como uma prece barroca, neste lugar santo ou demonizado não se olha diretamente nos olhos, cada uma tem sobre os olhos algo que sugere um “sim, não, porém nem sempre, talvez”, neste lugar sim pode significar não, não pode significar qualquer coisa menos um não definitivo, nada é definido. As portas desse lugar são estreitas, no entanto isso não impede que milhões se apertem para entrar na grande capela do vale tudo, em nome de deus ou do diabo amém.
Neste lugar no qual mal e bem são louvados com entusiasmo. Lado a lado convivem pessoas ilustres e meros desconhecidos, grandes personalidades e idiotas, gente que jura amor pela pessoa objeto do seu sentimentalismo vadio e ao anoitece o envenena ,vai ao enterro, chora, faz discurso e rouba as coras de flores do falecido.
O escritor que nunca entrou em um hospital público, o cantor que nunca subiu uma favela, o cientista político, o especialista em tudo, todos eles juram que determinada pessoa é boa e outra má , mas essa jura vai depender de qual dos dois lados responder primeiro suas preces, se deus ou o diabo, não importa, o que importa é que os pedidos sejam atendidos.
Pense comigo, se toda energia gasta em defender partidos, políticos, se toda energia gasta em campanhas milionárias fossem voltada para o país, para a intolerância máxima com o crime de toda espécie, contra a farra das regalias pagas com nosso dinheiro, se toda essa energia fosse usada para mudarmos radicalmente nosso código penal, jurídico, eleitoral e trabalhista, se toda essa energia fosse usada para uma reforma tributaria justa como seriam nossas vidas neste país?
Nada muda porque mudanças causariam o fim do altar de uma vela para deus e outra para o diabo, a desorganização do Estado, a canalhice jurídica feita por deputados e senadores responsáveis por criação de lei favorece a dubiedade da alma brasileira, alguém sempre ganha com tudo de ruim  que acontece no país.
A desgraça de um é o riso do outro, a dor de alguns é a alegria de outros, dos nossos cadáveres muitos se alimentam. É preciso medo, esperança e dor para que um povo sinta-se contente com migalhas, para que outros tantos sejam os donos dessas migalhas oferecidas como presentes divinos.
Definitivamente a vida não entra na ordem do dia, na ordem do dia a negociata, a falta de compaixão, a estúpida ideia de que “se eu estiver bem foda-se os outros”. No altar promíscuo dos corações dúbios nunca faltam velas para deus e diabo.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…