Pular para o conteúdo principal

Misérias do Brasil

 Nordestina ,16 anos de idade, analfabeta, mãe, vive do bolsa família. Quem nos conta a história dessa menina é o senador Cristovam Buarque. Em 2005, o helicóptero que levava Lula e sua comitiva, por causa do mal tempo pousou em um pasto, o estado era Pernambuco, crianças correm para olhar de perto aquela cena rara, ficam surpresos quando Lula, o presidente, desce, se aproxima delas, há uma cerca entre eles, Lula se agacha, nenhuma foto de Lula é mais emblemática que aquela feita naquele dia, é como se ele estivesse olhando para seu próprio passado.
O senador Cristovam Buarque diante a cena desoladora faz um desafio ao presidente: alfabetizar todas aquelas crianças. Dez anos depois o senador (quando ministro da educação foi demitido por um assessor do presidente pelo telefone) voltou ao lugar, com ajuda de uma assistente social encontrou as crianças, todas analfabetas e sem perspectiva, aquelas crianças não são exceção, tragicamente são a regra.
Escreve o senador Cristovam Buarque: “Ao chegar, percebo que aquele quadro não era responsabilidade do presidente: afinal, ele tinha assumido o cargo pouco antes, mas se permanecesse daquela maneira pelos anos seguintes, ele teria que responder por isso”. Lula naquele momento não só encarou a “herança maldita” de todos ex-governantes, como dez anos depois nada fez para resolver a situação, hoje ele também é cúmplice daquele estado de miséria permanente.
Cristovam Buarque ainda nos diz o seguinte: “O bolsa família ajuda a sobreviver, mas não emancipa. Aquelas crianças, hoje adolescentes, não foram emancipadas”. Aqui uma questão das mais urgentes, o governo diz ter tirado milhões de pessoas da miséria, mas que miséria? Milhões de brasileiros hoje vivem dependentes do governo, são chantageados a cada eleição com possibilidade do fim do bolsa família se o PT deixar o governo, essas mesmas pessoas vivem na miséria do analfabetismo, da violência, de um sistema de saúde cada vez mais degradado. Nos sertões e litoral do nordeste a miséria continua, muitas pessoas são obrigadas a buscar refúgio ao sul do país e sofrerem todo tido de privações e preconceitos.
Mesmo sabendo da importância da Operação Lava Jato que desarticulou uma perigosa quadrilha que sangrou a Petrobas, entendo que o gargalo do Brasil são as pequenas cidades, deve-se monitorar pequenas empreiteiras, emendas parlamentares que saem de Brasília e fazem a festa do crime pelas prefeituras do Brasil, nada praticamente é feito para levar educação de qualidade a milhões de crianças, tudo se resume a derrubadas e reconstruções de prédios escolares , muitas gente acredita ser investimento em educação, secretarias de educação parecem mais escritórios de construtoras enquanto o ensino é renegado.
O nordeste desde sempre é a maior vitima disso tudo,  são gerações e mais gerações sucateadas, jogadas no lixo político, são gerações e mais gerações entregues ao acaso. Não consigo enxergar na maioria dos políticos desse país traço algum de solidariedade, de amor ao próximo, de desejo de se fazer justiça social, a maioria está entregue a soberba, a ganância, a gestão do crime político. Sem mudar as estruturas jurídicas e da administração pública cada vez mais o Estado Brasileira será refém dessa máquina canibal, perversa e excludente chamada: desigualdade social.
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com
Fonte de pesquisa: Correio Braziliense, Brasília, sexta-feira02 de outubro de 2015  


                                                                                                                                                                   

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…