Pular para o conteúdo principal

O presidente Negro

Um livro para quem tem estômago forte: “O Presidente Negro” foi o único romance publicado por  Monteiro Lobato, lançado em 1926 com o título de: “O choque” e uma nota explicativa: “Romance do Choque das raças na América (Entende-se Estados Unidos) no anno de 2228”. O livro narra a história de um cientista e seu invento capaz de enxergar o futuro, não só prever, mas olhar por uma espécie de luneta todos os acontecimentos futuro nos Estados Unidos. Primeiro deve-se destacar a incrível capacidade de Monteiro Lobato entender o presente e projetar a partir disso acontecimentos futuros. E quais são as previsões que aparecem no livro?  O aparecimento da Internet,  urna eletrônica, prever os gigantescos engarrafamentos e a redescoberta do prazer de andar a pé, prever também o declínio da Europa e a ascensão dos Estados Unidos e mais, prever que a China,  em 1926 era quase feudal, seria uma   nações influente e poderosa , claro prever um negro como presidente dos Estados Unidos.
 O texto é cruel, mostra o racismo, eugenia e lutas entre raças sem piedade alguma, corta na carne, faz o estômago revirar. No distante Estados Unidos de 2228 dois partidos, um controlado pelos os homens e outros por feministas radicais disputam as eleições presidenciais, ambos os partidos são racistas. Defendia-se a ideia de que os negros dos Estados Unidos deveriam ser exilados na Amazônia,tenta-se clarear os negros, mas não deu certo porque não conseguiram alisar os cabelos, resolvem então dividir o país em norte e sul, norte para os brancos e sul para os negros.
Os dois partidos chegam à conclusão que sozinhos um não seria capaz de vencer o outro, então esquecem temporariamente o racismo e pedem ajuda ao líder negro Jim Roy, quem ele apoiasse venceria as eleições. Aqui outra profecia do livro: quando Obama foi chamado para disputa presidencial, a eleição estava entre um homem e uma mulher, o apoio dele seria importante. Jim Roy deixou para o último momento qual seria sua posição na eleição, não ficou nem de um lado de do outro, se colocou como candidato do povo negro e venceu a eleição, note que só com os votos dos negros ele também não venceria, o que nos faz acreditar que muitos brancos votaram nele.
Os candidatos brancos derrotados não se deram por vencidos, lembra  da história do cabelo? Um cientista inventou uma formula que alisava os cabelos dos negros, até Jim Roy usou, logo depois foi informado pelo presidente derrotado que a tal formula deixava os negros estéreis. No dia da pose, Jim Roy é encontrado morto.
O livro provoca muitos debates, mostra de maneira cruel o crescimento do racismo e xenofobia. O discurso de Jim Roy rememorando o calvário do negro nos Estados Unidos é desesperador, comovente. Monteiro Lobato mostra o conflito racial a partir da visão do negro, mas não o transforma em herói, mostra-o como vítima e muitas vezes passivo.
Penso que “O Presidente Negro” é um livro para ser lido e debatido a luz da razão, nas escolas, universidades, lido por todas as pessoas, se o futuro parece assustador, podemos agora no presente fazê-lo melhor.
Ediney Santana

     
  

                                                                                                                                              

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…