Pular para o conteúdo principal

Sonhos Olímpicos

Esportes nunca estiveram na minha lista de prioridades, nem mesmo como torcedor fui ou sou lá de grandes entusiasmos. Descobri tardiamente que gosto das Olimpíadas de Inverno, talvez mais pela beleza plástica dos jogos do que pelos jogos em si, nunca joguei futebol ou fui a um estádio torcer por algum time, nada contra, nada a favor, apenas não fui comovido pela ideia de ser torcedor ou praticar algum esporte, depois que mudei para Brasília descobri o prazer de andar pelos parques e bosques, esse talvez seja afinal, o meu esporte.
Estava ouvindo na rádio do Senado Federal um programa de entrevistas que gosto muito, “Autores e Livros”, quando a entrevistada começa a contar histórias surpreendentes sobre vários atletas em muitas das edições dos Jogos Olímpicos. Cada história era uma emoção e revelação diferente, contagiante, arrebatadora. A autora? Clara Arreguy, o livro? “Sonhos Olímpicos”. Pela primeira vez ouvia alguém falar de esporte de uma maneira que me despertava.
A razão por trás do impacto daquela entrevista é que a autora revelava histórias para além das conquistas e derrotas, contava de maneira objetiva os altos e baixos  de pessoas comuns, como eu ou você e não super humanos como geralmente atletas são apresentados.
“Sonhos Olímpicos” tem apenas 64 páginas e nestas poucas páginas a autora narra de maneira cativante a vida de homens e mulheres, nos apresenta uma radiografia da política, cultura, economia, nos conta através de cada edição dos Jogos Olímpicos como os padrões, as certezas, a maneira de como nos enxergamos como pessoas mudavam de maneira surpreendentes.
Feche os olhos e imagine: Em uma Olimpíada, indígenas e pigmeus apresentados como animais nos zoológico? Imagine: a primeira mulher negra a ganhar uma medalha e de ouro, a mesma mulher negra  ser a primeira a estrelar um comercial da Coca-Cola só podendo senta-se em lugares reservados para negros nos Estados Unidos? Imagine então: um homem negro em 1956, brasileiro, medalhista olímpico e diplomata, advogado, professor, ator, militar, escultor e que falava cinco idiomas? Você já ouviu falar dele?
Imagine: uma Olimpíada na qual as mulheres tinham que provar que eram mulheres para participarem dos jogos, mais absurdo que isso? Eram feitos testes para averiguar as genitálias das mulheres, não satisfeitos inventaram um teste fajuto de contagem de cromossomos e se contasse que uma atleta não passou no teste dos tais cromossomos e essa mesma mulher um ano depois teve um filho e a confederação esportiva disse que ela era uma aberração da natureza?
É essa ventura que o livro de Clara Arreguy nos convida, aventura pela história através de tantos atletas que ao fim foram todos vencedores. O livro “Sonhos Olímpicos” mistura ficção com realidade, cada um de nós em menor ou maior grau pode se sentir ao término do livro, um campeão Olímpico, desse que encontramos nas ruas, anônimos, cada um com sua história para contar, com suas derrotas e conquistas e todos  são essências para contar a história da humanidade, a nossa humanidade, se boa ou ruim é a única que temos.
http://edineysantana2.bogspot.com                                                                                      


  



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…