Pular para o conteúdo principal

“Ultra aequinotialem non peccavi”

BarlaeusMatham

A frase de Gaspar Barléu: “Como se a linha que divide os hemisférios separasse também a virtude do vício" mostrava o olhar do colonizador sobre os povos que aqui viviam antes dos europeus trazerem água benta, rei , lei e tantos outros pecados que como um sopro da morte quase exterminava todos os antigos moradores do tal novo mundo. “Ultra aequinotialem non peccavi”, (Não existe pecado ao sul do Equador) essa frase sintetizava o pensamento de Barléu, era uma espécie de dito popular, para o nosso azar nos persegue até hoje. Chico Buarque ao encontrar a frase em um livro do seu pai “Raízes do Brasil” a ousou para compor em parceria com Rui Guerra, a famosa canção sacralizada na voz de Ney Matogrosso.
A ideia que por aqui tudo se pode a revelia da leia e da ordem é uma das nossas mais amargas tragédias sociais. Não pense em coisas grandiosas como “Operação Lava Jato” ou igreja evangélica sendo usada para lavar dinheiro sujo do suor, sangue e petróleo nosso de cada dia, tão pouco de filho de ex-presidente que ficou rico contando nuvens em dias de tempestade, nada disso, pense em pecados simples (viu o que escrevei? “Pecados simples”, como se pecado não fosse pecado ou existisse o pecadinho e o pecadão. Ninguém escapa ao sul do Equador.
Pois bem, vamos aos pecados simples: estacionar na faixa de pedestres, vagas reservadas para idosos, deficientes físicos, ouvir som alto e infernizar os vizinhos, humilhar professores, jogar lixo na rua, dirigir bêbado, se dizer da paz, mas apoiar atos bárbaros como chacinas de supostos criminosos, apoiar ações violentas da polícia, votar em políticos criminosos, dirige em alta velocidade, se faz de juiz e julga qualquer pessoa baseado apenas em suspeitas ou nos próprio preconceitos, se diz cristão, mas odeia negros, nordestinos e gay, se diz defensor da diversidade, mas nega o direito ao contraditório, ficou horrorizado com as agressões ao ex- senador Eduardo Suplicy e se diz feminista, mas apoiou as agressões à escritora Yaoni Sánchez, reclama de políticos ladrões, mas sonega impostos , se diz a favor da igualdade e solidariedade, mas nunca deu um bom dia ao porteiro do prédio no qual vive.
Prega a tolerância religiosa, no entanto chama evangélicos de fundamentalistas, não responde nunca a quem lhe deseja “bom dia”, separa as pessoas por categorias sociais, como se não fossemos todos gente, quer ser visto e notado, mas é adepto da invisibilidade social, só enxergar quem lhe for conveniente, paga para alguém fazer o trabalho de conclusão de curso, é professor, mas falta aulas e mais aulas, é policial, mas trata qualquer cidadão ou cidadã sempre com rispidez, tem doutorado e alma de chumbo, intolerante, prepotente, arrogante, se diz amante da democracia, mas usa seu dinheiro para chicotear, humilhar e fazer todas suas vontades, mesmo que isso machuque as pessoas, julga pela aparência, recebe de braços abertos qualquer estrangeiro desde que não sejam africanos ou haitianos, diz combater o racismo, mas não suporta brancos, chama de “negros da elite” negros vitimas de racismo se essas forem famosos ou ricos.Se diz estudioso, porém até hoje não aprendeu o real significado da palavra elite. 
Escrevi tudo isso porque li uma matéria que mostrava como brasileiros nos Estados Unidos ficavam “civilizados”. A matéria mostrava como brasileiros lá se tornavam pessoas boas e gentis, incapazes de julgar alguém pela cor ou região do país, pediam “com licença”, respondiam com cordial sorriso “bom dia, boa tarde, boa noite”, brasileiros incapazes de jogar lixo na rua, de falar alto, de ligar o som alto do carro, brasileiro que aqui odeiam esses camelôs que vendem bugigangas aos turistas, nos Estados Unidos tirando fotos e sorrindo com camelôs, cumprimentando aos porteiros dos prédios e restaurantes, nos Estados Unidos brasileiros obedecendo ao limite de velocidade das ruas e estradas, não estacionam na faixa de pedestres, não sonegam impostos, brasileiros que foram para lá ilegalmente, aceitam trabalhar como sub-escravos e não reclamam, os mesmos que aqui não levantam do sofá para beber um copo d’água, nos Estados Unidos brasileiros que aqui são racistas cantam louros ao presidente Obama, machista dizem que vão votar na Hillary Clinton. A matéria mostrou o comportamento desses brasileiros nos Estados Unidos e aqui no Brasil, tudo por essa perspectiva fica ainda mais desolador. 
Esses brasileiros são os mesmos que quando estão no Brasil cantam: “não existe pecado ao sul do Equador”, cometem todo tipo de pecado e como bons covardes que são, colocam a culpa em Lula, Dilma, FHC, enfim, nos políticos. Os brasileiros de lá, se unem aos muitos daqui e juntos continuam o ritual macabro iniciado ainda na época da colonização de destruição desse lugar, depois se terceiriza a culpa. Deus salve a América, toda América e não só a inventada pelo cinema e a odiada por muitos brasileiros.
http://poesiaeguerra.blogspot.com






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…