Pular para o conteúdo principal

Palácio do Planalto

Fico pensando se o Palácio do Planalto fosse uma empresa particular e  eu o gerente dessa empresa,e essa empresa apresentasse um rombo de mais de mais de 110 bilhões de reais. O que fariam os sindicatos? Aceitariam o plano de demissão em massa dos empregados? Estariam na porta da empresa com seus carros de som pedindo minha demissão?Na perspectiva de hoje os sindicatos nada fariam. Como controlaria uma mega empresa e sabedor de que caráter aqui  se negocia com o talão de cheque na mão , compraria todos os lideres sindicais, empregaria mulheres, amantes e agregados deles na empresa, depois chamaria um acionista qualquer, um Cunha da vida, e diria: - olha aqui é uma área boa para investimentos, você indicar quem bem entender. Ficaria quieto, deixaria o Cunha e os indicados fazerem a festa, mas levaria o meu por fora, para minhas causas pessoais, no mais enquanto ele votasse sempre no que desejasse no conselho da empresa teria tudo.
Quando a merda toda transbordasse, faria cara de contrariado, repetiria mil vezes que sou vitima de um perigoso golpe, é que o Cunha é o único culpado por tudo, que fui enganado e traído, contrataria uma empresa de propaganda com inspiração nazista, misturaríamos faltos históricos, como por exemplo, o capitulo da código de conduta da empresa que diz que o presidente, eu, dever ser afastado por crime de responsabilidade, com algo como um golpe militar, toda nossa propaganda tinha que ter o teor emotivo, "a luta do bem contra o mal",faria com que os poucos trabalhadores indignados ficassem com vergonha de falarem algo contra mim. atacaria as cores da empresa, assim as pessoas ficaram com vergonha de usá-las, nossa propaganda levaria os que estão do nosso lado a ficarem sempre prontos para o ataque, contrataria escritores para escreverem nossas mensagens, artistas para pintarem obras primas em meu louvor, cantores fariam shows tudo pago pela empresa, quem ficasse contra mim ficaria cada vez mais isolado até que prostrado se rendesse.
Os acionistas da empresa, oposição ao meu projeto, não teriam respaldo perante aos trabalhadores, porque nunca fizeram lá grandes coisas para eles, eu criaria  o programa de sensação social, esse programa teria como base fazer com que os empregados tivessem apenas a sensação da conquista, mas nunca conquistariam nada, seria fácil manipular qualquer pessoa, bastaria  incentivar cada vez mais suas emoções, nunca dizer não para elas, pouco a pouco ficariam emocionalmente dependentes da minha gestão, mesmo sofrendo prefeririam não perder o que acham que conquistaram, depois é só misturar tudo com ódio, inveja e rancor de todos para todos que sejam diferentes delas, ou que elas pensem que são diferentes. O resultado é que acabam amando quem mais fodem com elas. 
Destruiria com todos que ficassem contra mim. Contraria jornalistas e juristas para fazerem analises mirabolantes para me defender, redes sociais seriam palco do ódio e desconstrução de fatos e pessoas, quando mais emotiva for a propaganda, mais eficaz é. Os funcionários da empresa deixariam de pensar por si mesmos, para eles "ouvir dizer"  é verdade exata, aliás, na empresa faríamos de tudo para abolir a duvida, valeria o que eu apontasse como verdade absoluta. Ressuscitaria emotivamente horrores do passado, criaria nos movimentos sociais a ideia de justiçamento, no fim até mesmo meus inimigos estariam ao meu lado,  sentiriam vergonha de ficarem contra mim.
Ediney Santana em http://cartasmentirosas.blogspot.com
http://edineysantana2.blogspot.com
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…