Pular para o conteúdo principal

David Bowie

O olhar melancólico sobre nós mesmos, quando não de nojo. Ontem morreu David Bowie, artista relevante para música e de indiscutível talento, muitas foram as homenagens e notas de pesar pelo mundo (ao menos no mundo europeu, “americano” e claro aqui pela nossa América do Sul que o mundo não reconhece como parte da outra América e tão pouco ela também nos reconhece. David Bowie merece todas celebrações, fez por merecer, era de fato um cara precioso, não é preciso nem falar inglês para se deixar emocionar pelas suas canções, é como se o inglês tivesse o poder de se fazer entender até pelos analfabetos na língua Elton John. Eu gosto de inúmeros artistas estrangeiros, incontáveis escritores, mas me causa cisma o isolamento da nossa cultura, é como se para o mundo o Brasil fosse apenas um país de mulheres nuas nas praias e um povo que se faz escravo por vontade própria ao manter no poder por sucessivas gerações um bando de bandidos.
Nenhum artista brasileiro por mais talentoso que seja, por mais emblemático que seja para a história da música é festejado fora do Brasil como aqui festejamos cantores ingleses, franceses, “americanos” ou jamaicanos.
Muitos creditam isso ao fato de falarmos português, o que é mentira. Por trás da comoção e sucesso que um David Bowie fez e causa há uma poderosa indústria do entretenimento, essa indústria com seu poder consegue fazer com que ao nos olharmos no espelho vejamos sempre pessoas feias, derrotadas e que para nos encaixarmos no mundo globalizado é preciso cultuar, plagiar, ficarmos próximo de alguma maneira ao modelo criado por eles.
Nem nossas universidades escapam disso, todo e qualquer aluno sabe que nos cursos universitários não se incentiva o pensamento, mas a repetição do pensamento dos intelectuais de sempre, os marxs e os foucaults da vida estão sempre lá. Nas nossas universidades além de doutorado em soberba e presunção é preciso ser doutorado na demência avestruz de consumir tudo que seja moda intelectual nas universidades da Europa ou Estados Unidos, mesmo que essa “moda” tenha 200 anos, não por acaso falar inglês é senha mor para entrar nos cursos de pós-graduação, mesmo que o aluno não saiba a diferença entre um verbo e pronome em português. Mas que adianta saber se as citações serão mais importantes do que sua voz pessoal em qualquer tese?Não podemos nos abrirmos ao mundo ao mesmo tempo que nos fechamos para nós.
Não há problema algum gostar de um David Bowie, eu gosto, nós gostamos, mas o problema começa quando acredita-se que só o que não faz parte de nós é importante, quando jogamos no lixo ou tratamos em escala menor nossos artistas, quando caímos na armadilha de confundir a tragédia do Estado brasileiro com o sentimento de povo e nação.
Compram-se livros de Confúcio, transformado em autoajuda, na mesma proporção que se joga no lixo Paulo Coelho, a vida toda se olha para Mona Lisa como se fosse a única obra de arte produzida pela humanidade, mas um Romero Brito é jogado na lata do lixo.
Lotam-se cinemas para cultuar um Star Wars com seu figurino cafona, mas desdenha-se do cinema nacional que para sobreviver aterrou-se em infames comédias e excessiva violência.
Gosto da cultura pop, gosto de rock, mas não confundo grandezas, não é o português nossa ilha, o que nos impede de vencer um prêmio Nobel em literatura não é falta de talento e sim o tosco e perigoso jogo de poder, política e interesse da indústria do entretenimento que infelizmente conquistou no Brasil corações e mentes, sabe o quanto por aqui sentir-se feio é esporte nacional.




  




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…