Pular para o conteúdo principal

Invisíveis

Ediney Santana
Pode-se ser invisível por muitos móvitos: por falta de grana, por posições políticas ou ausência delas, pelo lugar que você nasceu, porque você não se deixa seduzir pelo riso fácil, porque você sempre soube que todo e qualquer rei sempre esteve nu, porque você não se ajoelha perante divindade alguma, porque você não se adapta a vida de pessoa alguma e nem quer que pessoa alguma se adapte a sua, porque você não seguiu os conselhos de um personagem de Machado de Assis no seu conto “Teoria do medalhão”, porque você é você, mesmo não sendo sujeito imperativo, porque você resolveu viver a vida, sua vida sem foder com a vida de ninguém, porque você não consegue ficar indiferente às desgraças da vida, porque você sabe que de boas intenções o inferno anda superlotado, porque você não acredita em primeira leitura, porque para você tanto fazer ser rico ou pobre, preto ou branco, gay ou machão, para você gente é gente, mas nem todo mundo gosta dessa ideia, porque você não é conservador ou progressista, porque você no fundo sabe que o melhor amigo da sua vida é você mesmo.  
A invisibilidade social é antes de tudo política e econômica, a depender do que você pense, escreva, sinta, a depender da sua visão de mundo será invisível, aqueles que você chama de “amigos” lentamente vão se afastar de você, aos poucos você começa a dialogar mais consigo mesmo, acostuma-se com a própria você, até chegar o dia que perdeu completamente o interesse por outras pessoas, não pelo gênero humano, mas por pessoas, voltado para si mesmo é hora de escolher se será vencido ou se vai escrever com paixão a trama da sua própria vida, escrever essa trama tem como requisito básico não temer a solidão, aprender a delícia de conviver com você mesmo, não deixar de produzir, trabalhar, não perder a gentileza e ternura para com os outros, mas saber que é uma pessoa só e se cair não vão estender as mãos para você, ter ciência de quem se é quebra o controle que outra pessoa pode ter sobre você e é neste momento que você torna-se um problema para o sistema, neste momento você passa a ser invisível.
Não se iluda, todos os ícones, grandes artistas, grandes políticos do bem ou mal, grandes personalidades, todos eles de alguma maneira não venceram apenas pelo talento de cada um, em determinado momento foram úteis para alguma força política ou econômica, mesmo que tenham levantado suas vozes contra essas forças. A oposição bem X mal geral grandes lucros, sempre foi assim e sempre será, sem a escuridão para que seve a luz? Que seria de Deus sem a ameaça constante do Diabo?
Os invisíveis das ruas, os pobres, os marginalizados pelo dinheiro, todos eles contribuem com suas misérias para que sejam mantidas grandes fortunas, todos eles são forças produtiva da grande cadeia que alimenta os donos do mundo, ninguém neste mundo é inútil ou improdutivo economicamente.
Invisível político e cultural é todo aquele que de alguma maneira ameaça a ordem, todo aquele que foge do padrão. Invisível econômico é todo aquele que contribuem com sua pobreza ou miséria para a grande casa forte do mundo, que alimenta a dispensa dos poderosos enquanto nas suas casas nada ou quase nada se tem para comer.
A mais poderosa arma para transformar alguém em invisível é fazer com que ela perca a motivação, que desista de escrever, produzir, trabalhar, fazê-la pensar que fala só para si. Não se permita ficar assim, se você se sente invisível escreva um diário, grave vídeos, edite livros, ajude instituições de caridade, faça doações de sangue, não se torne uma ilha, mesmo que quase ninguém note sua presença, em qualquer situação: não viva só para si.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…