Invisíveis

Ediney Santana
Pode-se ser invisível por muitos móvitos: por falta de grana, por posições políticas ou ausência delas, pelo lugar que você nasceu, porque você não se deixa seduzir pelo riso fácil, porque você sempre soube que todo e qualquer rei sempre esteve nu, porque você não se ajoelha perante divindade alguma, porque você não se adapta a vida de pessoa alguma e nem quer que pessoa alguma se adapte a sua, porque você não seguiu os conselhos de um personagem de Machado de Assis no seu conto “Teoria do medalhão”, porque você é você, mesmo não sendo sujeito imperativo, porque você resolveu viver a vida, sua vida sem foder com a vida de ninguém, porque você não consegue ficar indiferente às desgraças da vida, porque você sabe que de boas intenções o inferno anda superlotado, porque você não acredita em primeira leitura, porque para você tanto fazer ser rico ou pobre, preto ou branco, gay ou machão, para você gente é gente, mas nem todo mundo gosta dessa ideia, porque você não é conservador ou progressista, porque você no fundo sabe que o melhor amigo da sua vida é você mesmo.  
A invisibilidade social é antes de tudo política e econômica, a depender do que você pense, escreva, sinta, a depender da sua visão de mundo será invisível, aqueles que você chama de “amigos” lentamente vão se afastar de você, aos poucos você começa a dialogar mais consigo mesmo, acostuma-se com a própria você, até chegar o dia que perdeu completamente o interesse por outras pessoas, não pelo gênero humano, mas por pessoas, voltado para si mesmo é hora de escolher se será vencido ou se vai escrever com paixão a trama da sua própria vida, escrever essa trama tem como requisito básico não temer a solidão, aprender a delícia de conviver com você mesmo, não deixar de produzir, trabalhar, não perder a gentileza e ternura para com os outros, mas saber que é uma pessoa só e se cair não vão estender as mãos para você, ter ciência de quem se é quebra o controle que outra pessoa pode ter sobre você e é neste momento que você torna-se um problema para o sistema, neste momento você passa a ser invisível.
Não se iluda, todos os ícones, grandes artistas, grandes políticos do bem ou mal, grandes personalidades, todos eles de alguma maneira não venceram apenas pelo talento de cada um, em determinado momento foram úteis para alguma força política ou econômica, mesmo que tenham levantado suas vozes contra essas forças. A oposição bem X mal geral grandes lucros, sempre foi assim e sempre será, sem a escuridão para que seve a luz? Que seria de Deus sem a ameaça constante do Diabo?
Os invisíveis das ruas, os pobres, os marginalizados pelo dinheiro, todos eles contribuem com suas misérias para que sejam mantidas grandes fortunas, todos eles são forças produtiva da grande cadeia que alimenta os donos do mundo, ninguém neste mundo é inútil ou improdutivo economicamente.
Invisível político e cultural é todo aquele que de alguma maneira ameaça a ordem, todo aquele que foge do padrão. Invisível econômico é todo aquele que contribuem com sua pobreza ou miséria para a grande casa forte do mundo, que alimenta a dispensa dos poderosos enquanto nas suas casas nada ou quase nada se tem para comer.
A mais poderosa arma para transformar alguém em invisível é fazer com que ela perca a motivação, que desista de escrever, produzir, trabalhar, fazê-la pensar que fala só para si. Não se permita ficar assim, se você se sente invisível escreva um diário, grave vídeos, edite livros, ajude instituições de caridade, faça doações de sangue, não se torne uma ilha, mesmo que quase ninguém note sua presença, em qualquer situação: não viva só para si.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys