Pular para o conteúdo principal

Não estou em guerra

Foto Sérgio Damião
Não há sintoma mais triste da depressão que tomou conta da nossa sociedade que o medo do outro. Sentir medo de pessoas joga ao chão a própria ideia de civilização, sentir medo de andar pelas ruas nos faz reféns dessa profunda angústia social, há um labirinto triste e de branco intenso a nos ofuscar a razão e alegria em viver com outras pessoas o que de melhor temos.
Não é possível viver sem convivência, sem pontes que nos liguem a outras pessoas, sozinhos não temos significados, outras pessoas nos dão razão de vida e nos damos também razões as suas vidas, vivemos em um sistema de dependência social e ao negar isso corremos riscos de morte, primeiro morreremos socialmente, depois biologicamente.
Gosto de sentir comigo a alegria de em outra pessoa ser coração solidário, não se busca em outra pessoa viver sem o contraditório das relações, longe disse, é preciso contraste, diferenças, mas isso não é o mesmo que uma relação pautada na selvageria verbal, no ódio, na sensação minima de civilidade.
Desejo viver entre pessoas, mas também tenho o direito de querer longe de mim pessoas amargas, gente covarde, gente ego e eco, gente soberba, gente sem animo para ser silêncio e menos verborragia, gente receita e documento em cartório.
Asperezas não me interessam, desisto de tudo que for ódio, soberba, não quero saber de nada que não me leve ao estado de leveza, quero abraço quente e cervejas geladas, eu sou a medida da paz, se o outro é guerra não me interessa, meu coração não é direita ou esquerda, meu coração é gentileza e paraíso, meu coração é a guerra, meu coração quer amor.
Não há possibilidade de vivermos em um mundo sem pontes, ando em busca de outras pessoas, porque é sendo parte de outras pessoas que encontram o melhor que é ser eu.
        


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…