Pular para o conteúdo principal

A triste e efêmera vida de um “poste”

Chamamos de “poste” aquela pessoa que não tem brilho próprio, que sua luz depende de outra pessoa. No passado não muito distante era comum até os cachorros dos políticos assumirem cargos, crime conhecido como nepotismo, disfarçado muitas vezes pela palavra “padrinho político”. O poste é alguém sem voz própria, algo menor que um papagaio, já que o papagaio não tem consciência do que repete, por isso mesmo não pode ser considerado um “poste” falante. O nepotismo não terminou, foi reinventado, na seara do crime político há o nepotismo cruzado, um cretino nomeia alguém que outro cretino pediu e assim vão se nomeando. A razão de existir do “poste” é manter sobre total controle o poder político de quem o criou, de quem o fez existir, raramente um “poste” tem coragem para deixar de ser o que é, antes da sua guinada ao poder que não lhe pertence ele é bem amarrado, amordaçado. Um “poste” sabe da sua condição, olha-se no espelho não enxerga a si mesmo, não tem coragem de dizer o que pensa, um “poste” nega sua humanidade, é um ser estômago, um ser vazio de substância humana, um “poste” só é aceito pelos outros por quem ele representa, um “poste” é como uma barata, se morto não faz falta, se vivo é peça de reposição, um “poste” é a leitura errada da sociedade, “um poste” não precisa ter talento, capacidade técnica, condições intelectuais, um “poste” só precisa repetir o que lhe mandem repetir.
Um “poste” representa o atraso, é vassalagem, o jogo de interesse, o “poste” adora frases feitas que não trazem nada de concreto, um “poste” é perigoso porque representa e exerce o pequeno poder, porque aceita ser bajulado por seus subordinados, um “poste” não tem assessores ou colaboradores, um “poste” tem bajuladores, gente escrota, gente sub-poste, gente que teria coragem de matar e depois ir à missa de corpo presente.
Um “poste” pode ser muito perigoso, uma vez no poder fará de tudo para nele permanecer, o “poste” não cultiva bons sentimentos, um “poste” pode ser a desgraça na vida de qualquer um que ele julgue ser perigoso a sua existência de “poste”. O “poste” é Darth Vader, o sistema, o mal por essência, assim como Darth Vader, o “poste” vai se transformando lentamente, não percebe ao fim no que se transformou, o “poste” não trepa, não ama, não se masturba, não teme a deus ou diabo, o “poste” é só uma coisa, um amontoado de células ruins, “o poste” é a voz sombria do sistema, ataca mesmo não sendo atacado, mata não para se defender, mas para impor medo, o “poste” é o ritual macabro que a tudo devora, o “poste” parece bom, mas é mal, o coração de um “poste” é o lado obscuro da força.
Há algo pior que um “poste”? Sim, a coisas piores que um “poste”: quem o nomeia, quem lhe deu poder, quem lhe emprestou luz e voz e quem o bajula. O bajulador é aquele “poste” menor”, intermediário, como sabe que não tem competência nem mesmo para ser um “poste” se contenta em verminar nas bases do sistema, tudo que o “poste” fala, ele aceita e incentiva, seu sorriso é contagiante, sua fala é suave, nunca entra em contradição, nunca é contra ao sistema, esse tipo de gente é aquele sorriso que a depender da situação morde, pisa e humilha, se contenta com migalhas, finge intimidade com o sistema.
Para ser “poste” não precisa de capacidade, de criatividade, de talento. O “poste” é a ruína de uma sociedade, a negação do conhecimento, a incapacidade travestida de autoridade, o “poste” é o lixo servido na mesa, o “poste” é o gosto ruim da comida azeda, é o gozo sem razão, o “poste” não sente saber de nada que come, um “poste” apenas obedece, segue, não tem liberdade intelectual, um poste é a verminação social. O “poste” é uma trágica instituição da política brasileira, é o resquício triste do Brasil império, é o afilhado do crime, é urubu da sociedade, o carniceiro.
O “poste” é nossa desgraça, é o que nos faz lembrar o quanto esse país ainda é dos conchavos, enquanto esse país ainda se permite ser gerenciado por gente escrota e canalha, o “poste” é nossa febre, nossa dor e nossa morte.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…