Pular para o conteúdo principal

Filhos da puta

“Só filho de preto, pobre e puta vão para cadeia no Brasil”. Ouvi muitas vezes essa frase durante minha adolescência quando a polícia fazia papel de juiz, promotor e jurados (ainda fazem) e juízes e promotores faziam que não sabiam de nada quando a vítima desse justiçamento era um pobre, preto e filho de puta. O filho de puta aqui é aquele brasileiro sem ascendência classe média, geralmente branco e elitista como a presidente Rousseff ou um Aécio Neves, Sarney, Maluf, artistas muitos ricos que das suas fartas mesas reproduzem a ideologia do sistema para aliciar emocionalmente pobre idiotas a servirem ao exército dos cínicos ou ainda alguém alçado a essa condição elitista como o presidente Lula que como bom ator faz com milhares de brasileiros ainda o enxerguem como um pobre coitado retirante.
Pois bem, no momento em que delegados federais e promotores federais investigam quadrilhas organizadas dentro do Estado brasileiro e estatais e encaminham provas, documentos, áudios para um juiz, que baseado no próprio código penal vai condenado um a um os membros dessa organização criminosa e começa a chegar perto da elite política brasileira o que acontece? Essa elite política quase toda “branca” e há muito não mais classe média (a esquerda criminalizou a classe média, para a esquerda é bom que os pobres continuem onde estão, podem ter curso superior, mas continuarão pobres), porque é milionária, promove uma campanha contra a justiça, comparando juízes os golpistas de 1964 e o pior, um bando de pobre sem ter onde caírem mortos comem essa pilha, pobres como eu que a qualquer momento podem ser vitimas desse de sistema imundo, elitista e racista que é a política brasileira,porque pobre e preto servem só para irem a manifestações defender essa corja, porque para ser ministro, presidente nacional de partido, assumir diretoria de importantes estatais só sendo branco, elitista e com sobrenome que a maioria do povo não nem sabe pronunciar.observe quem estava ontem ao lado da presidente no ato "contra o golpe" no palácio do Planalto você viu quantos negros? Quantos pobres? Agora para brigar nas ruas é outra história, uma bem conhecida história.
Não me espanta que no momento em que a justiça bate na casa dos poderosos do país eles queiram destruir com ela, esses poderosos precisam que os pobres, pretos e filhos da puta continuem sendo justiçados pelo Brasil a fora, assim terão sempre o que prometer, terão sempre o discurso que cabotem as desigualdades, eles precisam de reserva de miseráveis, mas nunca vão aceitar que a polícia bata a porta deles, mesmo que sejam educados agentes da Polícia Federal, para os pobres restam velar seus cadáveres e ouvir lideres sociopatas se aproveitarem desses cadáveres para fazerem deles palanques.Nem a direita e tão pouco essa esquerda sociopata me representam, precisamos de novos caminhos, novos atores para um país realmente justo e não embelecido como querem todos esses cínicos.
http://poesiaeguerra.blogspot.com.br/
http://edineysantana2.blogspot.com
http://edineysantana.zip.net
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…