Pular para o conteúdo principal

O fim do PT

Há alguns dias falava com Joaquim, um velho militante do PT, que ele ainda veria seu partido como no começo de tudo, meia duzia de militantes( todos com mais de quarenta anos de idade) reunidos nos fundos de um sindicato decadente.
 Os que hoje gritam que "não vai ter   golpe!" se dividem em cinco grupos: os que estão no PT por necessidade, são aquelas pessoas que vivem em pequenas cidades do interior do país e que só conseguem emprego em troca de apoio cego ao PT, não só a ele, mas qualquer partido que assuma o poder, e essas pessoas vão mudar de partido assim que o poder trocar de mãos, o segundo grupo são os militantes apaixonados que enxergam o partido como um igreja e Lula o mentor espiritual dela, esses vão até o fim com o PT, exceto se Lula fundar um novo partido, aí vão com ele , o terceiro grupo são de intelectuais , artistas e professores, esses vivem no limbo da realidade, acreditam-se mentores de uma nova sociedade, para eles o mundo é simples: se de esquerda é bom, se de direita é mal, precisam dessa visão niilista de mundo para justificarem a decadência da própria visão de mundo que acreditam, logo logo estarão ao lado de Marina Silva  ou qualquer outro representante do que vão chamar de "esquerda renovada" , o outro grupo, são de pessoas mais jovens, esses  vão emprestar suas juventudes e utopias os neos-PT como PSOL, que acredita-se mais puro que Jesus Cristo, exatamente como  o PT era, sem contradições, sem erros e o último grupo são parlamentares do PT, muitos já articulam a criação de um novo partido, estão pressionando  Lula para que convença Dilma a enviar ao congresso uma emenda que antecipe as eleições presidências.Esses parlamentares não são estúpidos como  os militantes empoderados de soberba e etnocentrismo político , estão preocupados é com o futuro político deles. 
Antecipar eleições seria uma alternativa viável, evitaria o desgaste do afastamento da presidente, acalmaria o país, e os parlamentares , claro, teriam tempo para organizar um novo partido, basta saber se Dilma vai aceitar isso ou vai preferir seguir sagrando até o fim.
Neste exato momento só o PCdoB está ao lado da presidente, não porque seja o PCdoB um exemplo de fidelidade, isso acontece pela natureza do partido que nunca deixou o Araguaia e não pensaria duas vezes em pegar em armas novamente para "defender a democracia".
 o PT real, de políticos poderosos, há muito deram as costas para presidente, muitos deles foram humilhados por ela e Lula quando esses achavam-se intocáveis, o mesmo aconteceu com milhares de militantes no país inteiro, militantes  que nunca aceitariam dinheiro para segurar a bandeira do partido em uma manifestação.
Se nada disso acontecer, uma coisa é certa, o PT começou a perder muitos políticos e militantes, quando o barco afunda não são os ratos que pulam fora primeiro, são os que conseguem antecipar o futuro. Só instinto não garante a sobrevivência, Lula agiu tão somente com instinto, o animal político acreditou que só o populismo seria suficiente para perpetuação do PT no poder, esqueceu de levar em consideração muitas outras variáveis. 
Lula me faz lembrar  o protagonista de "  O general em seu labirinto" de  Gabriel García Márquez, livro em que o autor romanceia os últimos dias de vida de Simón Bolívar, Bolívar que muita gente analfabeta em história nas manifestações contra o PT repetia que os Ptistas eram bolivarianistas" , quando o PT está mais para fordismo estatal. 
Enquanto isso ,militantes idiotas vão para ruas defender o que não quer mais se defendido porque apendeu com o bom e velho capitalismo que tentar salvar uma marca que entrou em desgraça é bobagem, o melhor mesmo é criar outra novinha. mesmo que a diretoria seja a mesma. 
http://poesiaeguerra.blogspot.com.br/
http://edineysantana2.blogspot.com
http://edineysantana.zip.net
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…