Pular para o conteúdo principal

Reinventar-se sempre

Ediney Santana
Só aos 42 anos de idade consegui finalmente começar meus estudos em língua inglesa, não pense que foi preguiça intelectual, foi falta de condições mesmo. Aprender uma nova língua é um desafio intelectual, começar do zero, ser alfabetizado pela raiz, nos revela fragilidades, mas nunca nos diz que somos incapazes, ter fé em si mesmo é a primeira ação para não desistir do aprendizado quando no meio de novos conceitos e signos linguísticos nos sentirmos perdidos. Durante toda vida gostei de muitos artistas em língua inglesa e espanhola. Espanhol estudei um pouco na universidade, não fui lá muito bom aluno, o pequeno universo em que vivia sedimentava meu pouco caso com os estudos, quando se vive em um pequeno universo metade de um pão serve para matar a fome. Língua Inglesa tive contato apenas na escola e nada além do inesquecível verbo “to be”, nada além do que a primeira pessoa da minha débil formação escolar.
Enquanto se vive, dizem por aí, se tem esperança, então resolvi entender na língua original muitos poetas que gosto tanto, resolvi me deixar emocionar, sem auxílio de traduções, com vozes de tantos cantores e cantoras que ouvi a vida inteira sem entender nada do que estavam falando. Não me sinto menor por cantar canções e não saber ao certo o que dizem, melhor isso que coisa alguma, mas agora é hora de avançar, claro, aprender outra língua não é  negar a minha,pelo contrário, é olhando para fora com o olhar da dignidade que se descobre a beleza do nosso português, língua linda de encanto semântico sem igual, língua de cultura, plural e  não tem nada daqueles versos infames de Olavo Bilac que  diziam ser o português inculto e belo, não existe língua inculta.
Todo tempo é tempo de aprender coisas novas, todo tempo é tempo de se reinventar, todo tempo é tempo de fazer do mundo um lugar sem fronteiras, ao menos pela linguagem, pelo espírito comunicativo que nos faz viver.
Aprender uma nova língua me deixa ativo, animado, me tira do porto seguro das velhas coisas conhecidas e me abre as portas para novos encontros. Aprende-se uma língua por muitos motivos, para mim dois s são especiais: o primeiro é saber que sou capaz de aprender. Toda língua é parte da história da humanidade, aprender uma nova língua me coloca em contato com outras culturas que distantes de mim fazem parte também do que sou, a segunda coisa é mais pessoal, me tira do marasmo, ativa minha cabeça, me livra da inércia intelectual.
Não importa se vamos viver cem anos ou não, importa é fazermos do tempo que estamos aqui andando por esse planeta tão exato em suas contradições o melhor possível de nós. Ser melhor, ser profundo, ser feliz, caminhar, deixar para trás o que nada de bom nos oferece. Aprender uma nova língua é um mergulho filosófico nas nossas raízes, partimos da nossa língua materna, que nos deu identidade, para a infinitude do aprender.
http://poesiaeguerra.blogspot.com.br








Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…