Pular para o conteúdo principal

Educação para emoções

Ediney Santana
Engana-se quem acredita que só a educação formal, aquela oferecida por escolas e universidades, vão nos salvar do vergonhoso fim de nos autoexterminar. Se listarmos os nomes dos maiores criminosos do Brasil, na lista dos cem principais, não vai aparecer nenhum garoto empobrecido, miserável, morador de rua e morto com um tiro na cabeça pela polícia. Os maiores criminosos do Brasil tem curso superior completo, muitos são de famílias “ilustres”, falam mais de uma língua, geralmente são cultos, versados em artes e não temem a justiça.
A educação como salvadora é um mito, só ela não garante que tenhamos uma sociedade que se repeite, não garante que o conhecimento não seja usado para pilhar, manipular e sequestrar direitos. A educação sozinha não é capaz de garantir estabilidade social, diminuir desigualdades, pelo contrário, pode até cavar abismos, coagir e ameaçar liberdades individuais.
Conhecimento sem base ética leva ao gargalo da imoralidade pública, a prepotência dos que estacionam seus carros nas calçadas, aos que julgam e condenam pela aparência, leva a manipulação política e ideológica. Conhecimento sem raízes no respeito ao contraditório ou bem comum é conhecimento para  desigualdades. 
É nas relações cotidianas que notamos o quanto ter dinheiro para comprar um carro de R$ 150, ou ter viajado pelo mundo, ter mestrado ou doutorado sem ética e respeito ao próximo é tudo verniz sobre a casca grossa de uma sociedade doente. Vivemos em uma sociedade pavio curto, pois se educa para resultados, não importa os meios, o que importa é ter resultados, não há educação para emoções, vale a vontade de um sobre todos. Ainda estamos na idade média da gentileza, deseja-se não um mundo melhor, mas um particular mundo melhor, como se isso fosse possível.
O Brasil caminha para o abismo quando deveria ser neste momento um dos países mais bem sucedido entre todos os países, o problema não é só político, o problema é a relação tosca do brasileiro consigo mesmo e com o país. Conhecimento, formação acadêmica não faz do país lugar de espíritos mansos, pelo contrário, aqui os espíritos estão armados até os dentes.
Educar um povo envolve muitos aspectos que vão além do escolar, até leis educam, mas neste momento no qual os brasileiros pensam de maneira binária e sectária se faz urgente reforçar a educação para emoções, garantir o direito ao contraditório, frear a ideia de que somos todos juízes, garantir o mínimo de diálogo nesta sociedade triste.
Cabem às escolas fortalecer a formação ética e para o coletivo, valorizar disciplinas humanas, despertar nos seus alunos o olhar sensível para artes e poesia. A grande lição é fazer com que todos sejam honestos quando estiveram a sós, é na ausência de testemunhas que as tentações surgem e é também nestes momentos que alguém com sólida formação ética mantêm-se honesto e decente.
Famílias que educam seus filhos como se fossem estrelas únicas no mundo, como se pertencessem a alguma dinastia ou casta contribuem para que eles tenham forte inclinação ao egoísmo, podem quando adultos ingressaram no clube dos facínoras, o clube dos que se acreditam até a cima da própria condição humana. Educar é esforço conjunto entre escola e família, sendo que a educação para emocional é de responsabilidade familiar, não que a escola não tenha responsabilidade nisso, mas é na família que se forma o caráter das pessoas. 
Pais e mães insensíveis, prepotentes, agressivos, egoístas e arrogantes vão contribuir para formação distorcida do caráter dos seus filhos. É em nossas casas que podem nascer o país que desejamos para todos nós, um país nosso de deveres e direitos plurais.





  





Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…