Pular para o conteúdo principal

Solidão

Ediney Santana
Cantou Belchior em “Alucinação”: “A solidão das pessoas nestas capitais”. A necessidade de ficar só, de reduzir ao mínimo a interação com outras pessoas pode ser uma escolha pessoal ou não, pode ser sintomas de depressão ou aleijo social. Estamos vivendo quase sem memória solidária ou afetiva, se o outro morreu de fome? Atropelado? Se foi demitido? Quem bom que não foi conosco, é assim de maneira indiferente a dor do outro que a qualquer momento pode ser nossa também que estamos vivendo, a ilusão de que na nossa bolha social estamos seguros têm nos isolado, adoecemos, perdemos o encantamento com a nossa espécie, se ama um cachorro e se despreza aquele humano que ao nosso lado tem medo até de nos olhar nos olhos.
Estamos vivendo uma neo- escravidão, as relações são pautadas no servilismo, por mais que se digam amorosas, não são, enquanto o outro for serviçal está tudo bem, se não, está tudo errado. “Meu amor”, “meu bem” ou “meu amigo” são códigos não para demonstrar amor sincero ou gentileza afetiva, depois de pronunciadas essas frases segue-se um pedido ou uma ordem, não raro carregado de chantagem emocional. Estamos sós, sofremos da pior tipo de solidão, aquela dolorosa descoberta que mesmo acompanhados não estamos ali para compartilhar, dividir responsabilidades, descobrimos que somos como um móvel da sala.
Esse século se revela o mais cru e sórdido de todos, nele chegaremos à terceira ou quarta guerras mundiais, mas não será uma guerra ortodoxa, será uma guerra de destruição do nosso legado emocional, ataque a nossa sensibilidade, a bússola vai apontar sempre para o medo e coação, estamos em guerra, cabo de força em que todo vão perder, nossa espécie caminha para a barbárie emocional.
Perdemos o gosto pelo convívio gratuito, sempre deve-se tirar algum proveito, queremos amor e não nos preocupamos com quem diz nos amar, somos ásperos, duros, não queremos sentir fome, mas pouco nos incomodamos com a fome de quem vive perto de nós, o amor se tornou uma foto ostentação no fecebook vendendo uma vida que não existe.
Se vamos reverter isso tudo? Espero que sim, mas creio que não será nossa geração que fará isso, estamos apenas cumprindo tabela, nosso tempo passou, deixamos esse triste legado de destruição da nossa natureza humana, deixamos nossa soberba como se fosse um retrato 3X4 impresso nessa triste página da história, fica nossa indelicadeza emocional, perdemos o caminho de casa, vivemos a esmo na nossa condição de gente e pessoas.
Mas...Quem sabe, ainda revertemos tudo isso, passamos olhar para o presente, entender o quando a melhor vida que podemos ter é ter ao nosso lado parceiros e não competidores, amigos e não inimigos, amores e não escravos emocionais,  fé e não temor, coragem e não covardia, gentileza e não aspereza. Tudo podemos, inclusive amarmos em profunda grandeza.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…