Pular para o conteúdo principal

Franciele Fernanda

Uma cantora de catorze anos chamada Franciele Fernanda participou do programa The Voice Kids, não foi apenas uma participação, foi a revelação de uma presença, Franciele é cantora. Da sua voz poderosa ecoou uma versão roqueira de “Maria Maria”, é como se durante todos esses anos a canção- hino dos mais que únicos Milton Nascimento e Fernando Brant, tivesse esperado por uma voz feminina que fizesse seus versos sangram seus múltiplos sentidos. Nem só de uma bela voz se faz uma cantora ou cantor, é preciso emoção, sentir o que se canta, longe do cantar mecânico bons cantores e cantoras cantam a alma, sentem cada verso das canções, são atores na interpretação de um roteiro no qual a emoção é o autor.
Depois de sua apresentação no The Voice Kids Franciele Fernanda foi vítima de ataques racistas na internet, fez o que deve fazer qualquer pessoa que se sinta ameaçado ou vítima de preconceito, deu queixa na polícia. A intolerância religiosa, xenofobia, racismo e outras formas de preconceito estão lentamente ocupando espaços no Brasil, as redes sociais e outras plataformas virtuais tornam-se redutos para expressão criminosa de covardes. As penas para esses crimes virtuais são brandas, o crime no Brasil compensa e compensa porque com louvadas exceções os legisladores são criminosos eleitos ou por seus pares ou por irresponsáveis sem compromisso algum com o país.
O Estado brasileiro é uma fábrica de criminosos, seja pela ausência de políticas educacionais e culturais reais ou amparo a infância e adolescência ou ainda pela proteção aos bandidos classe média que dos seus apartamentos usam computadores para cometer crimes.
Franciele não pode se deixar abater por racistas ou xenófobos, deve continuar seu caminho, fazer valer sua paixão musical, saber que ainda há um longo percurso até a utopia que ela deseja. Além do canto, não deve nunca e em hipóteses alguma negligenciar os estudos, se dedicar ao máximo mesmo, porque a única maneira de pessoas como nós, que temos na pele essa marca e a estranha mania de ter fé na vida chegarmos a algum lugar é pelo estudo. Não terão compaixão de nós, é preciso escrever cada linha da história de nossas vidas com o suor do nosso rosto, temperar esse suor com o estudo.
Franciele no palco me lembrou outra cantora, Cássia Eller, presença marcante, voz visceral e uma incrível capacidade de recriar canções, assim espero que Franciele continue. Quem destoar do criminoso padrão social imposto pela TV, pela moda, pela religião e tantos outros seguimentos, deve se preparar pelo que vêm pela frente, os iguais guiados pelo crime da elitização social não perdoam quando as marias deixam as cozinhas e se tornam não patroas, mas senhoras de suas vidas, donas de seus destinos, quando sabem-se lindas e profundamente lindas.



  

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…