Pular para o conteúdo principal

Franciele Fernanda

Uma cantora de catorze anos chamada Franciele Fernanda participou do programa The Voice Kids, não foi apenas uma participação, foi a revelação de uma presença, Franciele é cantora. Da sua voz poderosa ecoou uma versão roqueira de “Maria Maria”, é como se durante todos esses anos a canção- hino dos mais que únicos Milton Nascimento e Fernando Brant, tivesse esperado por uma voz feminina que fizesse seus versos sangram seus múltiplos sentidos. Nem só de uma bela voz se faz uma cantora ou cantor, é preciso emoção, sentir o que se canta, longe do cantar mecânico bons cantores e cantoras cantam a alma, sentem cada verso das canções, são atores na interpretação de um roteiro no qual a emoção é o autor.
Depois de sua apresentação no The Voice Kids Franciele Fernanda foi vítima de ataques racistas na internet, fez o que deve fazer qualquer pessoa que se sinta ameaçado ou vítima de preconceito, deu queixa na polícia. A intolerância religiosa, xenofobia, racismo e outras formas de preconceito estão lentamente ocupando espaços no Brasil, as redes sociais e outras plataformas virtuais tornam-se redutos para expressão criminosa de covardes. As penas para esses crimes virtuais são brandas, o crime no Brasil compensa e compensa porque com louvadas exceções os legisladores são criminosos eleitos ou por seus pares ou por irresponsáveis sem compromisso algum com o país.
O Estado brasileiro é uma fábrica de criminosos, seja pela ausência de políticas educacionais e culturais reais ou amparo a infância e adolescência ou ainda pela proteção aos bandidos classe média que dos seus apartamentos usam computadores para cometer crimes.
Franciele não pode se deixar abater por racistas ou xenófobos, deve continuar seu caminho, fazer valer sua paixão musical, saber que ainda há um longo percurso até a utopia que ela deseja. Além do canto, não deve nunca e em hipóteses alguma negligenciar os estudos, se dedicar ao máximo mesmo, porque a única maneira de pessoas como nós, que temos na pele essa marca e a estranha mania de ter fé na vida chegarmos a algum lugar é pelo estudo. Não terão compaixão de nós, é preciso escrever cada linha da história de nossas vidas com o suor do nosso rosto, temperar esse suor com o estudo.
Franciele no palco me lembrou outra cantora, Cássia Eller, presença marcante, voz visceral e uma incrível capacidade de recriar canções, assim espero que Franciele continue. Quem destoar do criminoso padrão social imposto pela TV, pela moda, pela religião e tantos outros seguimentos, deve se preparar pelo que vêm pela frente, os iguais guiados pelo crime da elitização social não perdoam quando as marias deixam as cozinhas e se tornam não patroas, mas senhoras de suas vidas, donas de seus destinos, quando sabem-se lindas e profundamente lindas.



  

Postagens mais visitadas deste blog

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…