Pular para o conteúdo principal

Dona Marisa Letícia e Teori Zavascki

Ediney Santana
As mortes de Dona Marisa Letícia (esposa do ex-presidente Lula) e do ministro Teori Zavascki revelaram de maneira contundente como nosso país mergulhou no desrespeito pela vida e é refém das mais despóticas personalidades. Assim que divulgaram a morte do ministro Teori a internet foi tomada por inúmeras teorias conspiratórias, pessoas que nada e absolutamente nada entendem sobre aviação alardearam que foi um atentado e para piorar, antes mesmo do corpo do ministro ser enterrado, abutres dos três poderes já articulavam quem deveria assumir seu lugar. Muitas das condolências vindas dos três poderes da república foram apenas jogo de cena. Quem não lembra que antes mesmo do corpo do ministro ser retirado dos destroços do avião as redes sociais foram tomadas de mensagem de apoio ao juiz Sérgio Moro para que ele ocupasse o lugar de Teori?
Quando Dona Marisa Letícia deu entrada, em estado grave, no hospital, logo após sofrer um AVC, as redes sociais foram tomadas mais uma vez por manifestações que desejavam a morte da ex- primeira dama, pessoas chegaram a fazer protestos na porta do hospital atacando Dona Marisa Letícia e seus familiares, sub-jornalistas gravaram vídeos raivosos festejando a doença da ex- primeira dama, alguns desses abutres acusaram o ex-presidente Lula como responsável pela doença da mulher.
Nesses dois casos há um traço comum que os ligam: a intolerância pela vida. Para muitas pessoas só merecem respeito ou consideração quem faz parte do meio delas, quem for parte da mesma confraria, a vida de uma pessoa é quantificada a partir do que ela representa para determinado meio social. Acontece que essa doença do desprezo à vida mostra para todos nós o quanto estamos apodrecendo, o quanto à sociedade brasileira é um amontoado de gente desgraçada, gente que pensa e se acredita superior a outras pessoas, seja moralmente ou eticamente e não percebem que não há tragédia maior que festejar desgraças alheias como se elas mesmas (essas pessoas) não estivessem submetidas às mesmas leis naturais ou contingências da vida.
Esquecem-se que a causa da morte de D. Letícia e do Teori são traços da própria vida e pode acontecer com qualquer pessoa, esquecem-se que compaixão e solidariedade são sentimentos que devem nos unir, independente do que uma pessoa seja ou represente ela faz parte do mesmo gênero que nós: humano, esquecem-se que justiça não é o mesmo que vingança.
O Brasil se transformou em um país de justiceiros, o que menos interessa para essa gente é justiça, carregam no coração o ódio, não por acaso seguem gente que destila ódio, incapazes de uma palavra de conforto. Gente que odeia, que  é a favor da morte e nunca da vida, gente que destila ódio não sabe o que é justiça e o pior de tudo: todos os setores da nossa sociedade foram tomados por esses loucos e loucas.
Tudo isso não acontece só no Brasil, tudo isso podemos observar em outros países, mas é uma pena que o nosso país caminhe para uma república do ódio, da covardia, da manipulação e principalmente para ser hoje e sempre governado por canalhas e seus seguidores que festejam sobre cadáveres a dor de tantas pessoas.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…