Pular para o conteúdo principal

Dona Marisa Letícia e Teori Zavascki

Ediney Santana
As mortes de Dona Marisa Letícia (esposa do ex-presidente Lula) e do ministro Teori Zavascki revelaram de maneira contundente como nosso país mergulhou no desrespeito pela vida e é refém das mais despóticas personalidades. Assim que divulgaram a morte do ministro Teori a internet foi tomada por inúmeras teorias conspiratórias, pessoas que nada e absolutamente nada entendem sobre aviação alardearam que foi um atentado e para piorar, antes mesmo do corpo do ministro ser enterrado, abutres dos três poderes já articulavam quem deveria assumir seu lugar. Muitas das condolências vindas dos três poderes da república foram apenas jogo de cena. Quem não lembra que antes mesmo do corpo do ministro ser retirado dos destroços do avião as redes sociais foram tomadas de mensagem de apoio ao juiz Sérgio Moro para que ele ocupasse o lugar de Teori?
Quando Dona Marisa Letícia deu entrada, em estado grave, no hospital, logo após sofrer um AVC, as redes sociais foram tomadas mais uma vez por manifestações que desejavam a morte da ex- primeira dama, pessoas chegaram a fazer protestos na porta do hospital atacando Dona Marisa Letícia e seus familiares, sub-jornalistas gravaram vídeos raivosos festejando a doença da ex- primeira dama, alguns desses abutres acusaram o ex-presidente Lula como responsável pela doença da mulher.
Nesses dois casos há um traço comum que os ligam: a intolerância pela vida. Para muitas pessoas só merecem respeito ou consideração quem faz parte do meio delas, quem for parte da mesma confraria, a vida de uma pessoa é quantificada a partir do que ela representa para determinado meio social. Acontece que essa doença do desprezo à vida mostra para todos nós o quanto estamos apodrecendo, o quanto à sociedade brasileira é um amontoado de gente desgraçada, gente que pensa e se acredita superior a outras pessoas, seja moralmente ou eticamente e não percebem que não há tragédia maior que festejar desgraças alheias como se elas mesmas (essas pessoas) não estivessem submetidas às mesmas leis naturais ou contingências da vida.
Esquecem-se que a causa da morte de D. Letícia e do Teori são traços da própria vida e pode acontecer com qualquer pessoa, esquecem-se que compaixão e solidariedade são sentimentos que devem nos unir, independente do que uma pessoa seja ou represente ela faz parte do mesmo gênero que nós: humano, esquecem-se que justiça não é o mesmo que vingança.
O Brasil se transformou em um país de justiceiros, o que menos interessa para essa gente é justiça, carregam no coração o ódio, não por acaso seguem gente que destila ódio, incapazes de uma palavra de conforto. Gente que odeia, que  é a favor da morte e nunca da vida, gente que destila ódio não sabe o que é justiça e o pior de tudo: todos os setores da nossa sociedade foram tomados por esses loucos e loucas.
Tudo isso não acontece só no Brasil, tudo isso podemos observar em outros países, mas é uma pena que o nosso país caminhe para uma república do ódio, da covardia, da manipulação e principalmente para ser hoje e sempre governado por canalhas e seus seguidores que festejam sobre cadáveres a dor de tantas pessoas.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…