Pular para o conteúdo principal

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles.
Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da corte MPB e deixaram do lado de fora tudo que fosse brasileiro pé no chão, rua, suor de povo e mãos calejadas. O povo para MPB é um fetiche. 
O musical “Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José” faz uma bela e justa homenagem à obra e pessoa de Odair José, com um elenco afinadíssimo acompanhado por uma excelente banda, durante uma hora o público se diverte, se emociona e canta muitas canções de Odair José, tudo costurado por um excelente roteiro, divertido e dramático. Ambientado em um cabaré a peça nos leva a encontrar um Brasil colorido, com personagens poeticamente construídos.
“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José” foi escrito e dirigido por Sérgio Maggio. A direção é primorosa, o texto extremamente bem costurado, o figurino nos leva as noites coloridas dos anos de 1960-1970, fatos históricos são sutilmente abordados a exemplo da ditadura militar e contracultura.
O musical não se assemelha aos musicais estrangeiros, longe disso, é um musical com gosto, voz e sotaque brasileiro por isso mesmo a identificação do público é imediata. O direto acertou em fazer um musical com as cores, desejos, sonhos, conquistas e frustrações espelhos e reflexões do nosso país.
Uma banda tocando ao vivo, mistura entre drama e comédia, músicas delicadas e o desejo de viver em um país crítico, mas tolerante em que o contraditório não seja um crime e não pensar como pensa outra pessoa motivo de ódio,foi assim que o musical “Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José” me tocou.
O Brasil grita: aqui tudo de bom podemos! Nos mostra nossos talentos, nossas paixões por fazer coisas belas. Neste tempos nebuloso ir ao teatro é encontrar um Brasil que desejamos tanto, ir ao teatro é contribuir para que nossa arte esteja sempre em cartaz.
O elenco do musical é: Camila Guerra, Luiz Felipe Ferreira, Rodrigo Mármore, Gabriela Correa, Tainá Baldez Sergio Simão Fidalgo e Watusi Maria Alice, direção musical de Luís Filipe de Lima, a banda tem na formação: Guilherme Gê André Togni e Zé Krishn
No próximo fim de semana o musical vai ocupar o Sesc de Ceilândia- Brasília,a entrada é franca, basta ir ao Sesc e retirar as entradas antecipadamente.





Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…