Pular para o conteúdo principal

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles.
Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da corte MPB e deixaram do lado de fora tudo que fosse brasileiro pé no chão, rua, suor de povo e mãos calejadas. O povo para MPB é um fetiche. 
O musical “Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José” faz uma bela e justa homenagem à obra e pessoa de Odair José, com um elenco afinadíssimo acompanhado por uma excelente banda, durante uma hora o público se diverte, se emociona e canta muitas canções de Odair José, tudo costurado por um excelente roteiro, divertido e dramático. Ambientado em um cabaré a peça nos leva a encontrar um Brasil colorido, com personagens poeticamente construídos.
“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José” foi escrito e dirigido por Sérgio Maggio. A direção é primorosa, o texto extremamente bem costurado, o figurino nos leva as noites coloridas dos anos de 1960-1970, fatos históricos são sutilmente abordados a exemplo da ditadura militar e contracultura.
O musical não se assemelha aos musicais estrangeiros, longe disso, é um musical com gosto, voz e sotaque brasileiro por isso mesmo a identificação do público é imediata. O direto acertou em fazer um musical com as cores, desejos, sonhos, conquistas e frustrações espelhos e reflexões do nosso país.
Uma banda tocando ao vivo, mistura entre drama e comédia, músicas delicadas e o desejo de viver em um país crítico, mas tolerante em que o contraditório não seja um crime e não pensar como pensa outra pessoa motivo de ódio,foi assim que o musical “Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José” me tocou.
O Brasil grita: aqui tudo de bom podemos! Nos mostra nossos talentos, nossas paixões por fazer coisas belas. Neste tempos nebuloso ir ao teatro é encontrar um Brasil que desejamos tanto, ir ao teatro é contribuir para que nossa arte esteja sempre em cartaz.
O elenco do musical é: Camila Guerra, Luiz Felipe Ferreira, Rodrigo Mármore, Gabriela Correa, Tainá Baldez Sergio Simão Fidalgo e Watusi Maria Alice, direção musical de Luís Filipe de Lima, a banda tem na formação: Guilherme Gê André Togni e Zé Krishn
No próximo fim de semana o musical vai ocupar o Sesc de Ceilândia- Brasília,a entrada é franca, basta ir ao Sesc e retirar as entradas antecipadamente.





Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…