Martha Medeiros

Ediney Santana
Conheci a literatura de Martha Medeiros depois que um texto seu foi lido no “Primeiro Programa”, o programa ia ao ar todos os dias às 6:00 da manhã pela FM Transamérica. Gostei tanto que fui pesquisar sobre a autora, acabei, não lembro como, encontrando seu e-mail, ou foi do jornal que ela escrevia, não lembro. Escrevi no e-mail o quanto gostava de sua escrita e como vivia em uma cidade do interior sem livrarias, queria trocar um livro meu de poemas “Até que a eternidade nos una” por um livro de poemas dela, aceitou a troca, com não tinha disponível um livro de poemas, me mandou um de crônicas “Topless”, livro que tenho guarda até hoje com muito carinho, essa troca aconteceu há mais de dez anos, muito mais. O livro é carregado de provocações, reflexões, textos curtos e arrebatadores.
As crônicas de Martha Medeiros são plenas de poesia, fina ironia. De algo comum, de uma frase banal, de uma observação do cotidiano ela nos leva para um lugar delicioso: reflexão. Refletir sobre nossa condição e presença na sociedade, sobre o estado de espírito das nossas relações. Martha Medeiros consegue dialogar comigo, ela se coloca em cada linha sem afetação e com inteligência límpida.
Já comprei muito livros dela, um de poemas e os outros de crônicas. Goste de ler seus textos como se estivesse sentado em uma mesa trocando ideias com pessoas inteligentes e sensíveis. Martha Medeiros é o encontro feliz entre inteligência e sensibilidade, seu refinamento é o doce da sua palavra. Consegue dizer coisas difíceis de maneira leve, longe do embotamento acadêmico no qual títulos parecem que têm mais importância que o dizer. Martha Medeiros é ponte, sente prazer em dialogar com seus leitores.
Pelo rádio me chegou à palavra de Martha Medeiros, gosto de me permitir e me deixar seduzir pela sua literatura. Neste momento leio “Feliz por nada”, cada página me leva longe, me traz paz de espírito, me enche de alegria mesmo que o dia seja cinza, mesmo que a coleção de derrotas aumentem a cada dia. Escritoras como Martha Medeiros é ponte e isso para mim é luz.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys