Pular para o conteúdo principal

“A outra face”

Saudosistas preguiçosos repetem enfadonhamente que a música atual perdeu os rumos, que temos uma coleção de artistas iguais cantando coisas iguais e o bom mesmo ficou em algum lugar do passado povoando nossas lembranças e emoções juvenis. Isso não condiz com a verdade, ou ao menos distorce de maneira simplória as evidências. Que evidências? Em todas as épocas tivemos bons e maus momentos musicais, e durante muito tempo aprendemos a gostar tão somente do que as gravadoras nos empurram, com a pirataria e  diminuição do poder e fim de muitas gravadoras não temos mais as ondas musicas que infernizavam nossos ouvidos, mas temos inúmeros artistas produzindo seus discos, gravando sem a interferência do olhar abutre dos produtores comercias de gravadoras.
Para quem não sabe, artistas que tinham preocupações além de comerciais com seus trabalhos enfrentavam a insensibilidade cultural das gravadoras em um briga muitas vezes desigual, no entanto o novo sempre vem, cantou Belchior, é só olhar para o lado que um mundo novo maravilho nos espera. 
É com espírito libertário unindo o melhor das influências das bandas de metal da década de 1970, revigorando o blues e letras que flertam com o pop que a banda brasilense Elffus nos apresenta o visceral “A outra face”, super disco gravado, arranjado e executado com extremo profissionalismo, a Elffus tem uma sonoridade vibrante, o disco é conceitual, cada música apresenta a seguinte, é além de um disco, um álbum. 
Há um clima apocalíptico nas músicas da banda Elffus, letras com títulos como “Inferno”, “Último beijo” e "Anjos e demônios” parecem nos levar a um diálogo com o que de mais íntimo há em nós, aquela intimidade que não revelemos, mas que é nossa companheira, são músicas que jogam pelo chão nossa inocência de que é possível viver em cima de um muro emocional no qual tudo pode ser cor de rosa, mas no fundo, sabemos, tudo é guerra, amor, tesão e crenças abaladas. 
“A outra face” traz doze canções, alterna momentos vibrantes e viscerais com momentos de declarações afetivas e introspecção sem que a adrenalina sonora arrefeça, tudo é temperado com um espírito inquieto, é impossível ficar indiferente à pegada aguda, punhal afiado da Elffus.
A Ellfus é formada pelo baterista competentíssimo Álcimo,no baixo e violões a precisão e talento de Fernando de Castro,Pedro Selva faz das guitarras e violões uma sinfonia rock que nos arrebata, na voz e violões Alberto traz dignidade os cantores de rock, voz que não apenas canta, mas interpreta com alma as canções.
Então se você desejar ouvir músicas que unem passado e presente e nos oferece uma ponte para o futuro, bons músicos e letras inteligentes sugiro que corra para o www.myspace.com/elffus será um bom momento para se permitir vibrar, dançar e abraçar pela sonoridade brasiliense dessa banda cativante.
http://poesiaeguerra.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…