Pular para o conteúdo principal

“Do universo rabisco o mundo”

Raphael Rocha é autor de “Do universo rabisco o mundo”, livro de poemas editado em 2011 pela editora Quártica Premium.O livro nos apresenta uma poética concisa que mantém um acentuado diálogo com a poesia concreta e também com a filosofia, a começar pelo título:  “Do universo rabisco o mundo”. Talvez se pergunte o leitor qual o universo do autor e que mundo ele rabisca; são muitos mundos que saem do universo poético de Raphael Rocha, de inquietações cotidianas até indagações filosóficas.
Em “Além do que se vê”, Raphael Rocha escreveu:

“O que me espera na curva?
  Cabe a mim quebrar e viver
                          Ir ver
                          Sentir o que há
                          Será? Não sei”

Se a vida é risco, a poesia é de enfrentamento, se o mistério vive depois da curva, Raphael Rocha em sua poesia se permite o risco de viver esse mistério, mas não escapa da dúvida, mas é também a dúvida ponte para todo conhecimento. Em “Ressonâncias” podemos ler: “nos caminhos deste branco vazio cheio de tudo”, mas uma vez o poeta recorre a filosofia para expressar sua inquietação como o estado de quem inserido no mundo não aceita apenas existir, mas também viver plenamente todas utopias possíveis, ou em sua própria voz lírica: “marcando a eternidade de cada conquista / deixando vestígio indeléveis/ a cada ausência”.
Enquanto  autor do sua própria paixão poética Raphael Rocha deixa claro a luta para que sua voz não tenha como interlocutora apenas a si mesma, enfrentar a indiferença e um mundo repleto de tantas outras vozes carentes de interlocutores é também a busca poética presente em “Do universo rabisco o mundo”:

                                                         “Minha voz
                                                          Morre na tromba d’água
                                                          Meu pranto sussurra viola o silêncio
                                                          Meu canto
                                                          Ausente de escalas naturais
                                                          Piso em meu solo”
A morte da voz na “tromba d’água” é apenas simbólico é não concreto, mesmo que o “pranto sussurra viola o silêncio”, “ausente de escalas naturais/ piso meu solo”. Se o caminho é complexo e cheio de barreiras ao fim o poeta pisa seu solo, caminha, faz também seu solo lírico e marca sua presença, sua voz vence a “tromba d’água”.
“Estrelas” é um poema que nos leva reencontrar o concretismo e o que de melhor essa escola ou anti-escola literária nos legou. “Quando morremos viramos estrela no céu/ se minha estrela no céu não guardar/ vou cair/ estrela cadente/ e brilhar estrela-do-mar”. Otimismo poético, certeza de que o caminho não foi em vão, há céus e céus e se com paixão nos permitirmos à causa que desejamos, no caso  poética, certamente herdaremos ou conquistaremos o nosso céu mar, nosso céu sentimento de viver mundo e suas paixões.
Raphael Rocha também é metalinguagem e é em “No escuro” que isso fica evidente: “Eu me escrevi no escuro/ não porque quis/ se errado me escrevi/ tão só o fiz”... “Reneguei-me a sintaxe e algumas orações/ não por desejo, apenas o fiz” ... “Eu me escrevi no escuro/ num papel branco de bom tamanho/muitas letras engarrafei/palavras descosturaram-se”... “Não sou um bom texto/ No escuro me escrevi...Um garrancho”.
Nestes versos Raphael Rocha em metalinguagem fala do processo criativo e sem muita complacência, faz também uma analise da sua escrita. Fazer autocrítica é bom, mas a última palavra de quem escreve é dada pelo leitor. Quem escreve escreve para ser lido, para se mostrar para outro.
A metalinguagem é importante por revelar ao leitor a visão do autor sobre sua própria obra e em alguns aspectos os caminhos que percorre para realizar  seu trabalho, Raphael Rocha nos convida assim a entrar em seu universo criativo e saber como nesse universo sua sintaxe própria o ajuda a compor seu manifesto poético.
Em “Onipreausência” Raphael Rocha escreveu “ Ausente/ é aquele / que nunca está em si”. Estar em si é o primeiro passo para estar em outros, quem não convive bem consigo mesmo não vai conviver bem com pessoa alguma.   Raphael Rocha fecha o livro nos convidando mais uma vez a reflexão filosófica, nos toca no delicada da nossa frágil condição, fala do abismo entre nós e o nosso próximo. A capa de “Do universo rabisco o mundo” é uma enorme impressão digital, parece nos alertar de que embora sejamos únicos nada nos impede de estarmos em tantos outros e para isso a poesia existe, mesmo que ela sempre nos leve de volta para o nosso universo, já não será mais tão somente  nosso, terá as marcas de tantos outros universos e mundos.
Ps- Notei algumas coincidências entre mim e o autor de  “Do universo rabisco o mundo”. Raphael Rocha nasceu em um 14 de março, eu também, só que em 1974, Raphael viveu na cidade de Caetanópolis, eu vive anos em Santo Amaro-BA, terra de Caetano Veloso, Raphael toca em uma banda de Rock, eu já toquei em uma banda de Rock, a Flor Marginal, Raphael se formou em Jornalismo, eu em Letra...O universo é grande, a arte relativa.
Contatos com autor: raphaelrocha@gmail.com











Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…