Pular para o conteúdo principal

“Eu, Kalunga”

“Eu, Kalunga” é um romance da escritora Custódia Wolney publicado originalmente em 2005. O romance nos apresenta traços e aspectos do povo Kalunga. Os Kalungas é uma comunidade quilombola situada ao norte do estado de Goiás. Através das reminiscências da personagem Berta, somos levados por um Brasil desconhecido, misterioso, místico e, sobretudo, um Brasil teimoso que insiste em se erguer e ser autor da própria história, um Brasil bonito e comovente, um Brasil de mulheres fortes como Berta. “Eu, Kalunga” é um romance histórico que busca reconstruir e nos contar historicamente aspectos antropológicos de brasileiros que construíram com as próprias mãos o lugar que lhes cabe neste país tão desigual e excludente.
Berta, menina negra, é sequestrada por um índio, violentada, engravida, foge, casa com outro homem mesmo não tendo por este homem afeto, apaixona-se por outro homem e vive platonicamente essa paixão, é espancada pelo marido. Berta é forte, vai vivendo, revivendo, a cada queda se ergue. Berta é a Maria, Maria de Milton Nascimento:
“Quem traz na pele essa marca
possui a estranha mania
de ter fé na vida”

Durante todo romance Custódia Wolney através de Berta vai nos guiando pelo fascinante sentir e viver mundo dos Kalungas, os dramas se sucessendem, mas a escrita de Custódia Wolney não é dramática ou mórbida, é leve e suave e através dessa suavidade e leveza que sua heroína se coloca também no mundo como mulher, aliás, Berta, lembrando Simone de Beauvoir, vai se tornar mulher, mas vai se tornar mulher através das suas próprias vivência, ela é uma heroína platônica, tudo nela chega primeiro pelas sensações, pela possibilidade de levar ao mundo prático o que ela sente na alma.
“Eu, Kalunga” também nos releva a tragédia do latifúndio, violência pela disputa de terra, justiça seletiva, xenofobia e claro o racismo, mostra também a tragédia da violência contra os índios, o estado de desespero que tomava conta de quem vivia pelo interior do Brasil em condições de abandono e castração.
A narrativa que começa com Berta revivendo as histórias do seu povo contadas pelo seu bisavô e griô Nhô Tobias termina de maneira surpreendente, ela mesma também se torna uma griô e transmite às novas gerações tudo que sabe sobre a história e cultura do seu povo. A menina sequestrada por um índio ao fim é feliz, encontra o amor onde menos se pode imaginar, os tempos são outros, outros desafios, vida que segue. Berta que sofreu, amou e viveu por isso mesmo tem história para contar, lições a ensinar.
“Eu, Kalunga” é uma bela narrativa, uma ponte para nossas tradições, nossa cultura, encontro com tantos brasis desconhecidos pelo seu próprio povo. Quanto mais o povo deste país se entender como nação teremos mais chances de sermos felizes, enquanto nos olharmos com estranhamento social, religioso e cultural estaremos presos ao pântano do litígio da felicidade.









Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…