Pular para o conteúdo principal

O amor e o dinheiro

Ediney Santana
Há equilíbrio entre o amor de duas pessoas e o dinheiro, ou melhor, a falta de dinheiro? Creio que não, sem dinheiro o amor lentamente vai morrendo, sem dinheiro as pessoas tornam-se frágeis e suas fragilidades defeitos e seus defeitos incômodos. Muito se fala sobre machismo e feminismo, mas homem sem dinheiro ou pouco dinheiro nem as mais amante das feministas vai ter por seu  amado consideração estendida. Uma das maiores causas de divórcio no país não é a falta de amor ou tesão, é a falta de dinheiro de um dos parceiros, geralmente o homem.
Nesta balança em que se pesa amor e dinheiro o homem visto sempre como provedor será sempre o primeiro a ser descartado. O amor vai acabando na mesma velocidade que o homem deixa de ser homem e é apenas um macho como qualquer outro e macho como qualquer encontro encontra-se em qualquer lugar.
Não falo aqui das relações interesseiras baseadas desde sempre apenas em questões econômicas, falo de relações amorosas que surgiram esperançosas e fraternas, cheias de amor sincero, mas que por algum motivo um dos pares perdeu dinheiro e os problemas começaram: estresse, depressão, falta de perspectiva, insônia, irritabilidade. Neste clima não só de instabilidade emocional, mas financeira, o relacionamento caminha para o cadafalso.
O amor sem dinheiro ou perspectiva é um barco naufragando. E sem duvida alguma é o homem que mais é impactado com o desemprego ou falta de dinheiro. Um bom homem trabalhador sente-se humilhado quando não consegue emprego ou pagar as contas da casa em que vive, um bom homem ao se encontrar reduzido a nada ou quase nada fatalmente se deprime.
Não me venham com a bobagem de dizer que dinheiro não traz felicidade; nem dinheiro e nem tão pouco a pobreza traz felicidade, mas é o dinheiro que vai facilitar sua vida, que vai resolver os pequenos dramas cotidianos, é o dinheiro que vai fazer você se sentir mais seguro e com o dinheiro você será sim, mais facilmente amado. Se for para ficar triste, creia, é melhor ter dinheiro do que ser triste pobre, dinheiro é a ponte para a solução de muitos de seus problemas, vai trazer segurança, comida, casa, proteção. O dinheiro afasta as crises concretas da vida, e se você ficar angustiado ou deprimido mesmo tendo dinheiro vai puder fazer um tratamento médico para resolver isso ou uma viagem pelo mundo e depois postar fotos em redes sociais para mostrar ao mundo como você é feliz, mesmo que você tenha transformado sua vida em apenas isso: postagens felizes em redes sociais, com dinheiro até sendo um imbecil você será amado e respeitado.
Gonzaguinha canta em “Guerreiro Menino”:

“Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
Palavras amenas
Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abraço
Da própria candura
Gerreiros são pessoas
São fortes, são frágeis
Gerreiros são meninos
No fundo do peito
Precisam de um descanso
Precisam de um remanso
Precisam de um sono
Que os tornem refeitos
É triste ver meu homem
Guerreiro menino
Com a barra do seu tempo
Por sobre seus ombros
Eu vejo que ele berra
Eu vejo que ele sangra
A dor que tem no peito
Pois ama e ama

Um homem se humilha
Se castram seus sonhos
Seu sonho é sua vida
E vida é trabalho
E sem o seu trabalho
O homem não tem honra
E sem a sua honra
Se morre, se mata”
 Nesta canção desabafo Gonzaguinha conseguiu dizer de maneira muito melhor do que eu a relação entre amor e dinheiro. Falar essas coisas pode causar desconforto em algumas pessoas que enxergam o mundo só pelo lado cor de rosa, mas o lado cor de rosa também tem seu lado cinza. Em um país em crise como o Brasil os divórcios aumentam e é triste, ao menos para mim, saber que não é por falta de amor ou gozo, mas por falta de dinheiro ou desemprego de algum dos parceiros.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…