Pular para o conteúdo principal

O amor e o dinheiro

Ediney Santana
Há equilíbrio entre o amor de duas pessoas e o dinheiro, ou melhor, a falta de dinheiro? Creio que não, sem dinheiro o amor lentamente vai morrendo, sem dinheiro as pessoas tornam-se frágeis e suas fragilidades defeitos e seus defeitos incômodos. Muito se fala sobre machismo e feminismo, mas homem sem dinheiro ou pouco dinheiro nem as mais amante das feministas vai ter por seu  amado consideração estendida. Uma das maiores causas de divórcio no país não é a falta de amor ou tesão, é a falta de dinheiro de um dos parceiros, geralmente o homem.
Nesta balança em que se pesa amor e dinheiro o homem visto sempre como provedor será sempre o primeiro a ser descartado. O amor vai acabando na mesma velocidade que o homem deixa de ser homem e é apenas um macho como qualquer outro e macho como qualquer encontro encontra-se em qualquer lugar.
Não falo aqui das relações interesseiras baseadas desde sempre apenas em questões econômicas, falo de relações amorosas que surgiram esperançosas e fraternas, cheias de amor sincero, mas que por algum motivo um dos pares perdeu dinheiro e os problemas começaram: estresse, depressão, falta de perspectiva, insônia, irritabilidade. Neste clima não só de instabilidade emocional, mas financeira, o relacionamento caminha para o cadafalso.
O amor sem dinheiro ou perspectiva é um barco naufragando. E sem duvida alguma é o homem que mais é impactado com o desemprego ou falta de dinheiro. Um bom homem trabalhador sente-se humilhado quando não consegue emprego ou pagar as contas da casa em que vive, um bom homem ao se encontrar reduzido a nada ou quase nada fatalmente se deprime.
Não me venham com a bobagem de dizer que dinheiro não traz felicidade; nem dinheiro e nem tão pouco a pobreza traz felicidade, mas é o dinheiro que vai facilitar sua vida, que vai resolver os pequenos dramas cotidianos, é o dinheiro que vai fazer você se sentir mais seguro e com o dinheiro você será sim, mais facilmente amado. Se for para ficar triste, creia, é melhor ter dinheiro do que ser triste pobre, dinheiro é a ponte para a solução de muitos de seus problemas, vai trazer segurança, comida, casa, proteção. O dinheiro afasta as crises concretas da vida, e se você ficar angustiado ou deprimido mesmo tendo dinheiro vai puder fazer um tratamento médico para resolver isso ou uma viagem pelo mundo e depois postar fotos em redes sociais para mostrar ao mundo como você é feliz, mesmo que você tenha transformado sua vida em apenas isso: postagens felizes em redes sociais, com dinheiro até sendo um imbecil você será amado e respeitado.
Gonzaguinha canta em “Guerreiro Menino”:

“Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
Palavras amenas
Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abraço
Da própria candura
Gerreiros são pessoas
São fortes, são frágeis
Gerreiros são meninos
No fundo do peito
Precisam de um descanso
Precisam de um remanso
Precisam de um sono
Que os tornem refeitos
É triste ver meu homem
Guerreiro menino
Com a barra do seu tempo
Por sobre seus ombros
Eu vejo que ele berra
Eu vejo que ele sangra
A dor que tem no peito
Pois ama e ama

Um homem se humilha
Se castram seus sonhos
Seu sonho é sua vida
E vida é trabalho
E sem o seu trabalho
O homem não tem honra
E sem a sua honra
Se morre, se mata”
 Nesta canção desabafo Gonzaguinha conseguiu dizer de maneira muito melhor do que eu a relação entre amor e dinheiro. Falar essas coisas pode causar desconforto em algumas pessoas que enxergam o mundo só pelo lado cor de rosa, mas o lado cor de rosa também tem seu lado cinza. Em um país em crise como o Brasil os divórcios aumentam e é triste, ao menos para mim, saber que não é por falta de amor ou gozo, mas por falta de dinheiro ou desemprego de algum dos parceiros.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…