Pular para o conteúdo principal

“Coming In From The Cold”

O disco  despedida de Bob Marley “Uprising” foi lançado em 1980 pouco antes da sua morte, doente e sabendo-se terminal Bob em seu último disco foi inspirado e inspirador. A música que abre “Uprising” é “Coming In From The Cold”, ou seja, “ Vindo do frio” é um hino à vida, doce e bela vida, a alegria de estarmos vivos. Ao dizer que nesta vida mesmo que estejamos vindo do frio Bob questiona: “It's you I'm talking to now/ Why do you look so sad and forsaken?” em tradução livre “ É com você que estou falando agora/ porque está tão triste e entediado?” e arremata “When one door is closed/ Don't you know another is open?”, “ Quando uma porta se fecha você sabe que outra se abre?”. O desespero de oportunidades perdidas, desemprego, dos estragos financeiros, dos punhais cravados nas costas por “amigos” outrora frequentadores das nossas almas e vidas, da falta de crença em si e na tristeza de se sentir só pode levar-nos a loucura.
A primeira vez que ouvi “Uprising” foi em uma casa no Buraco da Gia, Rua do Bairro do 2 de julho em Santo Amaro-BA, rua que morei por menos de dois anos, mas que me marcou profundamente. Quando “Uprising” começou a girar na vitrola e os primeiros acordes de “Coming In From The Cold” soaram, eu que tinha entre treze ou catorze de idade, tive uma espécie de experiência mítica, a música era tão forte que não era preciso entender inglês para saber que ali havia diálogo entre o garoto sertanejo acostumado a ouvi Paulo Sérgio, Amado Batista e Sérgio Reis cantores que falavam do mundo lúdico dos meus pais transferido para mim através de canções adocicadas e melodias tristes (minhas raízes profundas) e o jovem cantor jamaicano morto aos trinta e seis anos.
Muitos anos mais tarde tive a alegria de saber que não estava errado, Bob Marley dizia coisas importantes, era profundo, simples e sincero. “Coming In From The Cold” é uma canção exata, sua letra simples e cortante somada à música poderosa tem o poder de nos levar para outra dimensão.
Em outro momento de “Coming In From The Cold” Bob Marley canta: “Would you let the system/ Make you kill your brother, man?”, Você deixará o sistema/ te fazer matar seu irmão?”. Nesses versos interrogatórios uma denúncia e uma razão: nosso maior inimigo é o Estado, não é a violência dos bandidos que nos mata, não é a doença que nos mata, quem nos mata é o Estado. Mata-nos ao ter no seu estômago os vermes da corrupção, ao permitir a morte intelectual de milhões de jovens, ao manter leis que alimentam o crime, ao alimentar um poder judiciário forte para os fracos e fraco para os poderosos, ao jogar na vala dos cemitérios ladrões de galinha e condenar a prisão domiciliar os bandidos mais perigosos deste país. E pior de tudo: consegue fazer o povo se odiar, se matar.
“Coming In From The Cold” é uma canção hino, tantos anos depois de gravada é como se todas manhãs ela fosse lançada, basta olharmos pela janela para sabermos o quanto estamos eternamente vindo do frio, mas nem por isso devemos negar a vida, nossa bela e única vida.




  

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…