Pular para o conteúdo principal

“Estou com fome”

“Estou com fome”, foi assim que A. D. S, homem, "morador" de um lugar abandonado aqui de Brasília se apresentou. Perguntei de onde era, respondeu: “do norte, do nordeste, sou como dizem aqui paraíba” . Ao saber sua idade fiquei chocado, com apenas trinta anos parecia ter o dobro. Pai de dois filhos e com mulher, deixou o nordeste, caminhou a esmo, pegando carona, pedindo comida e não sabe como chegou a Brasília, segundo ele, “a cidade dos homens”. Olhei minha carteira e dei o que tinha, não era muito, mas cada centavo estava carregado de emoção e solidariedade, era como se aquele homem fosse carne da minha carne, sangue do meu sangue, tínhamos raízes comuns, eu tive um pouco mais de oportunidades e ele foi esmagado por aquilo que durante anos tentou também me esmagar.
A miséria em Brasília é nordestina, saindo de Brasília e pegando a estrada em direção a Bahia, há uma imensa favela de barracos de plástico, o sotaque, fome e miséria daquele lugar é nordestino, homens, mulheres com suas criancinhas que deixaram o nordeste e buscam aqui na capital federal, se não a felicidade, ao menos um dia sem fome.
A crise hídrica fez com que o governo decretasse racionamento de água em Brasília, li em muitos lugares pessoas culpando os nordestinos pela crise, segundo esses xenófobos, o aumento da população no Distrito Federal e o pulso fraco do governo em impedir novas construções dessa “gente ignorante” é o que fez as barragens do DF caírem a níveis preocupantes.
A classe média de Brasília não difere da classe média dos outros estados, inclusive no próprio nordeste em que a classe média do litoral olha com desprezo os nordestinos do sertão, do nordeste profundo. É uma sucessão de negativas das raízes. Na classe média de Brasília, com devidas exceções, pouco importa a orientação religiosa, política ou cultural há um visível desprezo pelo Brasil profundo.
Curioso é observar a classe média que se diz de esquerda desprezando pessoas pobres, se mostrando arrogante, soberba e até mesmo racista, além de xenófoba, do outro lado a classe média de direita ou algo parecido que se porta de igual verminosidade. São iguais, são podres; neste meio todo, claro há pessoas que são sensíveis e sinceras aos dramas sociais, estas estão em todos os lugares até mesmo na classe média de direita ou esquerda, a exceção é um alívio.
Todos os dias encontro pessoas de todas as idades e cores procurando no lixo comida, no caminho para o Plano Piloto, no canteiro da pista vive um homem em uma pequena barraca de plástico, um dia desses passei por ele, chovia forte, estava sentado na grama, todo molhado, senti vontade de levá-lo para casa, senti todas as angústias possíveis.
É cômodo apontar o dedo para o Congresso Nacional e chamar todos os políticos de bandidos, como se eles tivessem surgidos do nada. Não, os políticos ruins (sim, porque há bons políticos) não são os únicos responsáveis por todas as misérias deste país, eu você e todos nós também contribuímos de alguma maneira para tudo isso, e se contribuímos podemos também ajudar a melhorar.
Brasília é uma cidade encantadora para quem saber enxergar o que de encanto há nela, penso que deveria ser realmente a cidade do Brasil que queremos, mas é preciso como em todo Brasil sermos radicais com as nódoas, se queremos algo de bom, agora neste exato momento, isso começa nos enxergando como somos. É preciso nos olharmos no espelho sem complacência.
Mudar para Brasília me fez enxergar o Brasil por dentro, aqui vivem pessoas de todos aos estados, aqui o Brasil se encontra no melhor e no seu pior. E é aceitando nossa incivilidade que apontaremos o caminho do agora para civilidade. O atual momento do país pede uma ruptura radical com tudo que temos de ruim: imprensa ruim ,música ruim, políticos ruins, serviço público ruim, cidadãos ruins, amizades ruins, enfim, tudo que nos nega no que de melhor temos, se formos tolerantes com a mediocridade morremos todos, seremos todos afogados na lama social de um país maravilhoso entregue a um bando de bandidos.

    

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…