Pular para o conteúdo principal

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.  
Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.  
O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes. Quem promove e incita o ódio sabe que assim é mais fácil controlar e purgar as pessoas da razão, os generais do ódio sabe que quanto mais irracional for alguém é mais fácil adestrá-lo. Um exemplo dessa onda de ódio aconteceu nas manifestações contra o PT, milhões de pessoas foram levadas as ruas como se fossem gado humano, adestradas para odiar qualquer coisa vermelha, não foram capazes de entender que quem organizava as manifestações faziam parte da mesma lama do PT, o resultado é que se identificou o PT ou os “comunistas” como sendo os únicos responsáveis pelas misérias do país, enquanto isso organizações criminosas ligadas a outros partidos políticos organizavam manifestações e alimentavam o ódio e a irracionalidade política.
O PT não era autor sozinho das canalhices da república, os patos amarelos, os moralistas, as entidades que organizavam manifestações, todas elas estavam também ligadas ao outro lado da podridão, mas o ódio não deixou as pessoas raciocinarem que o grito não deveria ser “ Fora PT”, mas “fora todos”, o sistema estava quase nas cordas, seria fácil trocar todos seus agentes, fazer uma renovação profunda da política, mas o ódio encantou as pessoas, a panelas só bateram para o PT, o resultado é que o outro lado da quadrilha apossou-se do país, agora o ódio deseja uma intervenção militar, como se isso fosse a solução mágica para os nossos problemas.
O que acabei de escrever é só um exemplo de como o ódio pode nos vencer, pode levar a tomada de decisões erradas, o ódio é a corda que se coloca voluntariamente nos pescoço, é a destruição da razão. Infelizmente nosso país neste momento foi tomado pelo ódio é torna-se quase impossível um debate racional sobre os destinos do país, mas é necessário é urgente esse debate, porque no fim todos vão pagar muito caro, os que odeiam ou os que só querem viver em um mundo no qual seja possível discordar sem se odiar.

  

Postagens mais visitadas deste blog

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…