Pular para o conteúdo principal

Cruzamento da esperança com urubu

Lampião navegava tranquilo pelo mar do Caribe quando avistou Jesus Cristo montado em um tubarão. Lampião sempre acreditou que Cristo andava como se anda pela terra sobre as águas, sacou sua espingarda e atirou no tubarão, Cristo tratou logo de fazer um milagre, o tubarão virou um míssil e explodiu a banheira que servia de barco para Lampião, ele desesperado gritou: valha-me nosso Senhor Jesus Cristo que não sei nadar! Cristo tomado pela piedade fez outro milagre, o mar virou deserto, areias vermelhas e aves amarelas sobrevoavam a cabeça de Lampião.
De dentro de um cacto surgiu Kim Jong-um, tinha em um dos braços Donald Trump, Cristo só observava, Lampião gritou: quem são vosmicês? Kim e Trump riram daquele homenzinho de um olho só , óculos que lembrava John Lennon e gritaram: Canta Imagine! Lampião gritou: Imagine é o diabo, vou peneirar vocês no meu punha! Kim apontou seu dedo atômico e pulverizou Lampião, Cristo não gostou e transformou Kim em um dromedário, Trump gritou com Cristo: eu sou mais rei que você, tenho duzentas bombas atômicas, sou mais poderoso que Deus, esse um preguiçoso adormecido em algum lugar do céu! Cristo riu, achou engraçado aquele homenzinho de topete cor de laranja e gordinho como um X-burguer. Colocou Trump no seu ombro direito, montou no dromedário e marchou para Salvador.
Cristo ao chegar a Salvador era carnaval, acabou com tudo, explodiu os trios elétricos, derrubou estátuas, menos as de Castro Alves e do Caboclo e Cabocla, olhou nos olhos da estátua de Castro Alves e disse: viva! Castro Alves voltou a viver e foi logo tratando de escrever poemas contra Cristo, achou ele tirano por acabar como carnaval, Cristo gostava dos versos de Castro Alves, se divertia com aquele sujeito bonito de língua solta.
Trump notou que nas lojas, bares e até jornais estava quase tudo escrito em inglês, mais que isso, os jornais falavam o tempo todo seu nome, ele não sabia que seu império chegava às terras do sul do mundo. Disse a Cristo: sou também imperador dessas terras brasilianas! Cristo colou a boca de Trump com Super- Bonder e o deixou bem no alto do Farol da Barra, dali sem poder se mexer ou falar passaria a eternidade comtemplando o que ele chamou de seu vasto império.
Deus olhava tudo com calma lá do céu, até que desceu por um raio de Iansã, pegou seu filho único nos braços, beijou-lhe a testa, desfez todas traquinagem de Cristo , o mundo voltou a ser como era, mas antes de subir ao céu  prometeu voltar um dia para fazer da terra o paraíso que um dia prometeu.
Deus voltou ao céu, adormeceu ao lado de Cristo. Deus não percebeu, mas o espírito de Lampião emaranhou-se na sua barba e subiu ao céu também, era noite de Natal quando Deus notou algo estranho na sua barba, era Lampião, agora um menino, Deus se comoveu, fez dele seu filho e enviou a terra para que todos que nele tenha fé seja salvo, Lampião da Palestina, Cristo ficou com Inveja e jogou Deus para fora do céu, Deus renasceu na Etiópia, toda noite ele sonha com seu céu, Deus adormeceu novamente, Lampião foi crucificado, Cristo sonha com Madalena, uma bela baiana que ele não salvou do apedrejamento, mas passou toda eternidade suspirando de amor por ela.   




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…