Pular para o conteúdo principal

Racistas e Assassinos

Quantas vezes você entrou em um bar e nos cartazes de venda de cerveja havia modelos negros ou negras? E nas lojas de móveis? Aqueles cartazes que reproduzem famílias felizes? E nos programas matinais da TV? Aquelas apresentadoras falando de maneira suave e seus convidados que parecem ensaístas de frases feitas? Apresentadores de telejornais? Nas novelas com seus enredos respetivos e suas mocinhas e mocinhos? Todos brancos! Agora pense quem mais morre vítima da violência no país? Quem o Estado brasileiro mais mata, quem tem mais dificuldades, mesmo com formação, para encontrar emprego? Quem é sempre suspeito? Nós os negros, sim somos nós que estamos ainda vivendo nas senzalas desse Estado parasita, dessa sociedade racista que encontra amparo nesta mídia neutralizadora de racismo. 
A lei que torna racismo crime é branda, geralmente racistas não ficam presos, mas há um racismo mais profundo e difícil de combater: o racismo instrucional, nossas instituições públicas são racistas. Quando você viu, mesmo tendo pessoas com condições para isso, generais negros assumindo o comando do Exército ou outros comandantes das outras forças negros? Quando você viu um ministro da justiça negro? Presidente do senado ou câmara dos deputados negros? Quantos presidentes dos grandes partidos políticos são negros? Bispos? Dos pastores famosos no Brasil você conhece algum negro? Você conhece algum jornalista desses que cobre o congresso nacional negro? Quantos palestrantes famosos no Brasil são negros? Os maiores vendedores de livros? Os poetas? Os grandes empresários quantos são negros? Se você acredita em meritocracia em um país desigual e racista como o Brasil, você tá enganado, a ideia de mérito aqui é barrada pelo racismo. Há muitos homens e mulheres negras capazes de assumir cargos e posições estratégicas, mas são preteridos por causa da cor da pele, isso acontece através da naturalização do racismo. As pessoas acham normal que só médicos brancos apareçam na tv falando sobre doenças assim como acham que os altos índices de mortes de negros ora pelo crime ora pela polícia também sejam normais. Mesmo com médicos negros em condição de participar de programas de TV, nunca serão convidados pelas organizações que controlam as redes de tv porque são todas racistas. 
A mídia brasileira é a grande neutralizadora do racismo, é ela que mantém em permanente cárcere a população negra, a mídia brasileira é cúmplice dos crimes contra a humanidade cometidos pelo Estado brasileiro, condenam todos os dias dezenas de jovens negros mortos na infância pela truculência do Estado.
Um dia Rosa Parks, uma jovem negra nascida nos Estados Unidos, fez uma revolução com apenas uma frase: “Não!”, ela disse “não” ao negar se levantar de uma cadeira em um ônibus reservada para os brancos, a atitude dela levou a maior luta pelos direitos civis dos negros em todo mundo, os negros dos Estados Unidos liderados pelo pastor Martin Luther King Jr promoveram um radical boicote as empresas de ônibus que reservavam cadeiras para brancos, as empresas tiveram prejuízos milenários e terminaram com a segregação no transporte nos Estados Unidos.
A atitude de Rosa Parks é inspiradora, sonho e acredito ser possível um gigantesco boicote a tudo que representar racismo e segregação no Brasil, não alimentar audiência de empresas racistas, não ver canais de vídeos que naturalizem o racismo, denunciar ostensivamente todos racistas, tudo que seja naturalização de racismo e, sobretudo: viver em diáspora. Isso significa, se mexer com um negro, mexeu com todos, não importa a religião, poder econômico, preferência cultual. Diáspora é uma rede de proteção, devemos isso a nós mesmos e a todos os irmãos e irmãs negras que durante os trezentos anos de escravidão neste país deram suas vidas lutando contra ela, organizam-se em quilombos e foram resistentes. 
Não posso ser feliz ser meus irmãos continuam escravos desse assassino Estado Brasileiro e dessa mídia podre, racista e segregacionista. Luta, resistir e denunciar!
http://poesiaeguerra.blogspot.com




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…