Pular para o conteúdo principal

Educação do futuro

Do autoaprendizado até ser premiada pelo Conselho Britânico a professora Renata Madureira transformou sua vida e de seus alunos. Seus projetos de conexão com turmas de países como Estados Unidos, Argentina, China, Israel, Japão, Turquia, Nova Zelândia  e Inglaterra tem duplo efeito:  faz com que seus alunos aprendam inglês trocando ideias, brincando, aprendendo sobre a cultura de outros países e faz com que alunos desses países aprendam sobre o Brasil, os alunos estrangeiros ficam encantados com o país que descobrem, um país vibrante de inúmeras manifestações culturais.
No livro “Educação do futuro”, lançado pela Bookess Editora e Livraria International SBS- Educação, de autoria da professora e escritora Renata Madureira, a autora faz mais que um relato da sua consagrada carreira de professora de inglês, nos traz exemplos concretos de que é possível fazer do Brasil um país bilíngue.
É impossível abraçar uma profissão sem que tenhamos  em primeiro lugar paixão por ela, em segundo dedicação ao extremo e em terceiro a inquietação que nos impede de cairmos na zona de conforto o que é para qualquer profissional o primeiro passo para a estagnação profissional e o fim da carreira.
A professora Renata Madureira é um exemplo de profissional que nunca se acomodou, se reinventar como profissional é sua maneira de viver plenamente a profissão que escolheu. Criativa e inquieta percebeu que sala de aula em tempos de hiper-virtualização da vida não poderia e nem pode ficar restrita entre quatro paredes.
Em “Educação do futuro” a professora Renata nos mostra como transformou suas aulas e levou centenas de alunos ao aprendizado de inglês de maneira lúdica, prazerosa e assertiva. A autora, sozinha, mergulhou no universo das tecnologias educacionais, um longo aprendizado que envolveu o domínio de ferramentas de edição de vídeos, criação de sites, uso de equipamentos multimídia, ferramentas de edição de imagens e muita pesquisa e dedicação. Aprendeu tudo isso com um único objetivo: conectar seus alunos e professores com turmas de todo mundo.
 Não há fronteiras ou barreiras linguísticas para incansável paixão da professora Renata em conectar seus alunos e professores com alunos e professores estrangeiros, ensinar inglês e levar ao maior número de pessoas uma visão positiva do Brasil.   
A professora Renata Madureira nos prova que é possível termos um ensino de inglês eficiente utilizando os recursos que temos nas escolas. Seu livro é um importante documento e também bússola para começarmos agora a mudarmos a realidade do ensino  não só de inglês, mas de qualquer outro idioma.
As ideias da professora Renata nos leva por caminhos seguros para o ensino e contato com pessoas e culturas de inúmeros países. Motivar, experimentar, realizar e provar para si mesmo que se é capaz de se reinventar como profissional  e transformar para sempre a vida de seus alunos e professores é esse o espírito do livro  “Educação do futuro”. Vale a pena se permitir ao conhecimento, a leitura, ao prazer de fazer do aprendizado de um novo idioma pontes para conhecer pessoas e as culturas de todo mundo.








Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…

“A ignorância é vizinha da maldade”.

Um provérbio diz que: “A ignorância é vizinha da maldade”. Ações baseadas em suspeitas e tão somente suspeitas, posicionamentos motivados por paixões políticas tem agravado o clima de instabilidade do país. A ignorância é sim a caldeira da maldade, e maldade é o que não falta no Brasil, vivemos sitiados por delirantes que querem justiçamento e não justiça. É assustador o sentimento de ódio aliado a uma presumida posse da verdade que tem dominado corações e mentes no Brasil, tudo isso leva a barbaria social e a uma nação ancorada no arcaísmo das mais in- civilizatórias angústias humanas. Uma não nação que parece não ter pessoas, mas porcos espinhos humanoides. Olhar nos olhos pode não ser um convite ao conhecer, fazer amizades, mas a briga, violência. A paranoia é o ceticismo político do Brasil. Somos ao fim uma nação de incompetentes, não conseguimos fazer desse país, apesar de todos os recursos que ele nos oferece, um país decente e seguro para vivermos. Cada um se agarra a sua ver…