Pular para o conteúdo principal

Sombras

Ediney Santana
Choveu muito ontem à noite, as luzes queimaram depois de um relâmpago intensamente belo. Os cachorros choraram, fiquei acordado rezando para a chuva não ir embora, mas lembrei dos moradores de rua e tive vergonha da minha reza. Estou me sentindo doente, mas ainda crendo na primavera da vida.
Tenho medo e esperança, esperança é pesadelo, o que há dentro do silêncio do meu corpo? Hoje sonhei que chovia palavras sobre mim, fiquei apavorado, corri pela rua, cheguei ao posto de saúde, implore por algo que me faça dormir.
James Last toca aqui neste meu desconsolo, é uma prisão meu desconsolo, todos os lugares que ando são os mesmos abismos, é um azedo viver e o medo de que a morte seja ainda pior que este momento indelicado que me fere, me machuca, me faz perde a paz.
Preciso de ajuda, preciso de socorro, sou barco naufragado em deserto, pássaro aprisionado em nuvem. Olho e não enxergo, envio cartas e não recebo resposta, fico nu e ninguém nota minha nudez.
Quero Lara's Theme from Doctor Zhivago aqui neste silêncio abismo, quero ser abraço por essa canção única, quero a saudade daquele tempo no meu presente, porque tudo que é bom é saudade no tempo que não há. Glória que nunca tive, dores que sempre estiveram comigo, sou teu senhor sem autoridade, sou teu abraçar sem esperança. Mortos da minha vida, paz do meu amargo viver, tem piedade de mim.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…

Ibaneis Rocha

Ao Excelentíssimo Senhor


Ibaneis Rocha


Governador do Distrito Federal


Brasília, 06 de janeiro de 2019.


Exmo. Sr. Governador,


Venho solicitar a Vossa Excelência que atente para a situação das árvores em Vicente Pires. Como morador fico feliz pelas obras que começaram e agora, tenho certeza, na sua gestão serão retomadas de maneira humanizadas. E é por acreditar na visão humanista de Vossa Excelência que escrevo aqui, não para pedir nada para mim, mas para as árvores que ficam nas vias públicas. Com o alargamento das ruas sei da necessidade se cortar algumas árvores, mas o que me causa terror é saber que quase todas as árvores serão arrancadas das ruas, árvores que fazem parte do único paisagismo verde de Vicente Pires, no entanto não é só uma questão estética, mas também de saúde. Como sabemos as árvores atenuam o calor, barulho dos carros, retém a poeira das ruas, nos oferecem sombras, acalmam e claro filtram o ar. Não queremos que Vicente Pires tome, por exemplo, a avenida comercial em …