Pular para o conteúdo principal

Alfabetizei minha mãe utilizando o método Paulo Freire

Paulo Freire é um dos poucos intelectuais nascidos em um país subdesenvolvido respeitado no seleto círculo acadêmico dos países desenvolvidos.Nenhum outro intelectual latino americano teve ou tem o reconhecimento e prestígio internacional de Paulo Freire,mas no Brasil ele além de não ter tido nunca suas ideias educacionais aplicadas em nenhum sistema educacional, seja público ou privado é atacado sistematicamente por quem nunca leu um só livro seu ou porque quem o criminaliza por ter sido um pensador de esquerda. Alheios ao seu posicionamento político as maiores universidades do mundo estudam sua obra, muitas teorias e práticas educacionais pelo mundo foram inspiradas em Paulo Freire. 
A obra de Paulo Freire se divide em dois blocos, o primeiro seu método para alfabetização de jovens e adultos, o segundo é sua filosofia educacional. Freire foi preso e expulso do Brasil durante a ditadura militar, seu crime? Ter criado um método de alfabetização simples e capaz de alfabetizar muitas pessoas em pouco tempo. Há alguns anos alfabetizei minha mãe utilizando o método Paulo Freire.
A filosofia educacional de Paulo Freire foi apresentada no Livro Pedagogia do Oprimido, publicado quando Freire estava no exílio em 1968 na cidade de Santiago (Chile), traduzido até hoje para mais 20 idiomas, são quarenta edições em inglês, 36 em espanhol e português são mais de sessenta edições. Segundo Google Scholar, Pedagogia do Oprimido é uma das dez obras mais citadas em trabalhos acadêmicos na área de educação e ciência política no mundo e é um dos cem livros sobre educação mais vendido nos nos Estados Unidos nos últimos anos.
Pedagogia do Oprimido discute e aponta soluções contra a doutrinação de alunos nas escolas. Paulo Freire criou o conceito de educação bancária para explicar como o aluno é transformado em uma folha em branco na qual o sistema educacional e professores depositam informações que devem ser digeridas sem questionamentos.Pedagogia do Oprimido é um ataque demolidor a doutrinação nas escolas.
Freire em momento algum questiona a autoridade do professor, mas sim o sistema educacional desumano e manipulador. Se alunos hoje são agressivos em sala de aula o problema não é Paulo Freire, mas da família desses alunos, se não crer, peça a um aluno para desligar o celular, ou fazer silêncio em sala e espere a reação de alguns pais, sem falar que Paulo Freire nunca passou de frases coladas em cartazes nas paredes de algumas escolas no Brasil, mas o mundo não se resume ao Brasil, felizmente. 
Paulo Freire é o brasileiro com maior número de títulos de Doutor Honoris Causa (maior honraria acadêmica que alguém pode ganhar), recebeu 40 títulos outorgados por instituições dos EUA (incluindo Harvard), Canadá, Inglaterra, Bélgica, Suíça, Itália, Espanha, Portugal, Suécia, Bolívia, Alemanha e Argentina. No Brasil ganhou 12 títulos.Foram 36 doutoramentos em vida, quatro in memoriam. Você crer que todas essas universidades estão erradas? E certo é o atual ministro da educação? A figura mais tosca e ignorante que já foi responsável pelo MEC? Que tomado de rancor, inveja e raiva, em vez de fazer algo concreto pela educação do país, prefere ficar em redes sociais atacando Paulo Freire e professores?
Paulo Freire era um cientista social e educador, pode e deve ser criticado, mas a crítica deve ser dentro do universo de sua obra e não através de jatos de ignorância como vem acontecendo. Em 2018 Pedagogia do Oprimido foi a obra sobre educação mais vendida no Brasil, mesmo não fazendo parte de nenhum sistema de ensino. É uma obra sobre como é perigoso doutrinar pessoas, impor apenas uma visão de mundo e como verdades doutrinárias podem fazer mal a todo um país, em especial estudantes.
Nas linhas finais de Pedagogia do Oprimido, Paulo Freire escreveu: ”Se nada ficar destas páginas, algo, pelo menos, esperamos que permaneça: nossa confiança no povo. Nossa fé nos homens, na criação de um mundo em que seja menos difícil amar”.



Postagens mais visitadas deste blog

Ibaneis Rocha

Ao Excelentíssimo Senhor


Ibaneis Rocha


Governador do Distrito Federal


Brasília, 06 de janeiro de 2019.


Exmo. Sr. Governador,


Venho solicitar a Vossa Excelência que atente para a situação das árvores em Vicente Pires. Como morador fico feliz pelas obras que começaram e agora, tenho certeza, na sua gestão serão retomadas de maneira humanizadas. E é por acreditar na visão humanista de Vossa Excelência que escrevo aqui, não para pedir nada para mim, mas para as árvores que ficam nas vias públicas. Com o alargamento das ruas sei da necessidade se cortar algumas árvores, mas o que me causa terror é saber que quase todas as árvores serão arrancadas das ruas, árvores que fazem parte do único paisagismo verde de Vicente Pires, no entanto não é só uma questão estética, mas também de saúde. Como sabemos as árvores atenuam o calor, barulho dos carros, retém a poeira das ruas, nos oferecem sombras, acalmam e claro filtram o ar. Não queremos que Vicente Pires tome, por exemplo, a avenida comercial em …

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…