Pular para o conteúdo principal

Postagens

A religião do mal

  Tudo o que somos para além do que nos destina a natureza em nossa odisséia biodegradável é fruto da cultura, educação, política e religião. A política se apossou de estudos biológicos e nos dividiu em sub-raças,nos que "nasceram para vencer” e quem já nasceu derrotado, nos que nascem em berço de ouro por “conquista e mérito” e nos que nascem nas miséria e pobreza, nos que são inaptos para conquistas, e nos que são destinados a se tornarem vencedores, em quem nasceu para servir e os que nasceram para serem servidos, nos que tem cara de bandido e nos que cara de “homem de bem”. O darwinismo social é a teoria política que alimenta todas tragédias sociais da humanidade. Ao aplicar a teoria evolucionista de Charles Darwin a política, os que enxergam a sociedade como um processo natural de evolução criaram toda base argumentativa para sustentar ações racistas e eugenistas, culpar pobres e miseráveis por suas condições de vida. Muitos religiosos que abominam as ideias de Charles Darwin
Postagens recentes

Ditadura nunca mais

Um dia alguém publicará um livro no qual afirmará e provará que nos últimos dias de março de 2021 ,o ministro da Defesa e os três comandantes militares das três forças armadas impediram o presidente do Brasil de realizar o sonho da sua vida: se igualar aos ditadores que pela força governaram o país. E que ouve uma tentativa de começar o golpe pela Bahia, derrubando o governador, ao tentarem transformar um trágico episódio em fato político .Um policial em desespero , surtou, atirou nos colegas e foi morto O plano não deu certo por não ter a cumplicidade dos comandantes militares e de muitos policiais.Todo cuidado é pouco, o perigo ainda existe.

Espírito Casa Grande

Amor e compaixão são palavras  malditas no necro-Brasil, o necro-Brasil se banha em sangue, louva pistolas e fuzis, o necro-Brasil matou o ensinamento amor e piedade de Cristo, templos se transformaram em bases para necro-política. A morte é a grande instituição do país, se enterram gente como se fossem coisas, nada mais comove, O necro-Brasil odeia o Brasil, odeia os negros, pobres, odeia ao Cristo que visita as casas dos invisíveis. O necro-Brasil é a fome, desespero, o necro-Brasil  transforma a resistência de quem quer vida, paz e saúde em crime de Estado. O necro-Brasil despreza a vida, transforma o sofrimento de milhões em mimimi e vitimíssimo . Vitimíssimo é o desprezo por quem sofre, querem nosso sofrimento em silêncio, vitimíssimo é a carta testamento do necro-Brasil, zombam das nossas dores. O sol do necro-Brasil é vermelho, não de resistência ou vida, mas das mortes dos mais de 300 mil brasileiros vítimas não só do coronavirus , mas da necro- incompetência que nos abandonou

O homem que amava as armas

Ele foi um militar medíocre, não há nada em sua carreira que mereça louvor, nunca foi condecorado ou recebeu qualquer tipo de honraria do exército enquanto esteve na ativa. Tinha, no que sobrou de sua alma, rancores intensos. Por não conseguir ser aprovado nos exames de acesso ao ensino superior cultivava ódio por universidades e pelos professores. Era defensor da morte como higienização social, dizia que a violência era a ponte para se realizar sonhos. Ao ir para reserva do exército se interessou por política, seu discurso era cruel e cheio de racismo, ganhou a simpatia dos policiais e soldados das forças armadas. Passava os dias fazendo pequenos discursos e incitando ódio contra os que ele dizia serem os responsáveis por todo mal do país. Em pouco tempo ganhou apoio de líderes religiosos, empresários, elites e do povo pobre que fragilizados por tempos difíceis acreditaram nos discursos que misturavam autoajuda , misticismo, religião e ódio. Ele dizia frases como essas : “Genialidad

Esterilização em massa de negros

Em 1904, no mesmo lugar que hoje fica a Namíbia, viva a tribo Herero, Cansados da violência, exploração sexual, invasões das suas terras pelos alemães que estavam pela África desde 1880, os Herero só tinham uma opção: fazer um levante e tentar se livrar dos horror que os europeus representavam. A resposta da Alemanha foi dura e implacável, criaram o primeiro campo de concentração alemão, o campo ficava em um lugar chamado ilha do Tubarão ou ilha da Morte. Os negros que resistiam a colonização alemã eram levados para essa ilha, torturados, forçados a trabalharem em condições inóspitas, torturados, morriam pela violência, fome e sede. O campo de concentração da Ilha Tubarão serviu também como modelo para que décadas mais tarde Hitler promovesse o holocausto judeu ,que ceifou a vida não só de judeus, mas dos negros, comunistas, deficientes físicos , ciganos , homossexuais e religiosos como as Testemunhas de Jeová que foram barbaramente perseguidas e mortas por se recusarem a idolatra

A língua do satanás

Se a língua de Deus é o amor, a do satanás é o desejo de um mundo à sua imagem e semelhança, sem diversidade , todos uniformizados segundo sua estética diabólica. Os servos do diabo, assim como ele, não admitem variações, para essas criaturas todos devem pensar da mesma maneira, sentir da mesma maneira, respirar da mesma maneira.  Se fosse o diabo o autor da vida a  natureza seria monótona, tudo da mesma cor, os passarinhos cantariam todos da mesma maneira, a humanidade provavelmente falaria apenas uma língua, não haveria céu azul, tão pouco mar azul, não teríamos as quatro estações, teríamos apenas uma emoção, invariável, fria e seca. Como não foi o diabo o autor da vida, seus súditos, inspirados por ele, criaram o racismo, xenofobia, preconceito de classe, a própria classe, criaram o SUS e planos de saúde,  bairros “nobres” e favelas, centro e a periferia, criaram elites e excluídos. Criaram as desigualdades sociais como afronta a equidade de Deus. Deus é inclusivo, o diabo excluden

Cristofobia

Se a língua de Deus é o amor, a do satanás é o desejo de um mundo à sua imagem e semelhança, sem diversidade , todos uniformizados segundo sua estética diabólica. Os servos do diabo, assim como ele, não admitem variações, para essas criaturas todos devem pensar da mesma maneira, sentir da mesma maneira, respirar da mesma maneira.  Se fosse o diabo o autor da vida a  natureza seria monótona, tudo da mesma cor, os passarinhos cantariam todos da mesma maneira, a humanidade provavelmente falaria apenas uma língua,não haveria céu azul, tão pouco mar azul, não teríamos as quatro estações, teriamos apenas uma emoção, invariável, fria e seca. Como não foi o diabo o autor da vida, seus súditos, inspirados por ele, criaram o racismo, xenofobia, preconceito de classe, a própria classe, criaram o SUS e planos de saúde,  bairros “nobres” e favelas, centro e a periferia, criaram elites e excluídos. Criaram as desigualdades sociais como afronta a equidade de Deus. Deus é inclusivo, o diabo excludente